Publicado em Dicas, Viagem

5 Erros Comuns em Viagens

5 Erros Comuns em Viagens

10 erros em viagens

Achar que tudo é como no seu lugar de origem é algo comum para quem sai pela primeira vez do país em busca do desconhecido. Hoje, após inúmeras viagens, eu te conto 5 erros comuns que vi muitas pessoas cometendo, inclusive eu.

A questão é que muitas vezes as pessoas saem despreparadas e acabam passando por situações, no mínimo, inusitadas. É claro que todo mundo comete erros, eu mesma cometi alguns deles, mas sempre procuro não cometê-los uma segunda vez.

A lista aqui é curta por falta de espaço, pois teria que escrever um livro para caber tudo o que já vi. Quando as pessoas atravessam culturas e não abrem a mente a fim de respeitar o território alheio, o prejuízo na viagem vai ser sentido em alguma proporção. Mas vamos à lista:

1. Não Estudar o Destino

Achar que tudo é exatamente como está na sua cabeça só serve no conto de fadas. Na vida real precisamos ter responsabilidade e respeito. Muitas vezes as pessoas nem sabem que estão desrespeitando a cultura alheia. Neste caso, a culpa é só dela mesmo.

Às vezes a ânsia de fazer a viagem dos sonhos e a vontade de chegar logo no tão sonhado destino, fazem com que a única coisa que as pessoas se preocupem seja a mala de viagem.

Procurar se informar sobre o lugar para o qual está viajando nem passa pela cabeça do viajante sonhador, mas deveria. Pesquisar sobre o lugar leva alguns minutos e não vai matar ninguém.

Estudar o destino

Minha recomendação para as pessoas que estão indo pela primeira vez viajar para outro país é estudá-lo ao máximo. Desde hábitos, leis e costumes até lugares diferentes para visitar.

Além de você aproveitar ao máximo a viagem de quebra evita outros problemas mais sérios, como quebrar uma lei que não faz o menor sentido para você.

Está indo para Cingapura? 10 leis que você não vai querer quebrar

2. Vestimentas

Vejo brasileiros que batem no peito e querem fazer valer a regra do faço e visto o que quero. Mas, nem todos os países são tão tolerantes como o Brasil, ainda que você alegue que não viva em uma democracia, o que eu concordo em alguns aspectos, mas esse não é um deles.

Se você insistir em se vestir como está acostumado no Brasil, vai se dar conta de que deverá abrir mão de visitar alguns países.

Após esse conselho, se você ainda assim decidir que vai de qualquer forma para alguns desses países, vai ter que passar longe de muitos locais que seriam a razão principal da visita a eles.

Por exemplo, se quiser visitar os incríveis templos sagrados é imprescindível que você cubra os ombros e os joelhos, ou você não vai pisar dentro deles. Em alguns outros a cabeça também deverá ser coberta pelas mulheres. Nessas culturas, a noção do que é sensual é completamente diferente do que é para os brasileiros.

Vestimentas
Roupas confortáveis, que cubram os ombros e os joelhos são obrigatórias nos passeios por templos sagrados ao redor do mundo.

Por isso, é importante pesquisar a respeito das vestimentas que deverá levar para cada país que viajar.

Quando você contrata um guia, normalmente ele já te avisa se sua roupa é “aceita” ou não. Me lembro de quando fui ao Angkor Wat no Camboja, não pude subir em uma parte do templo que precisa de supervisão.

Apesar de estar devidamente trajada para entrar no templo, minha camiseta era de manga curta e por isso não passei pela “triagem”.  Eles alegaram que como precisaria fazer uma pequena escalada, o lenço poderia cair e assim os ombros ficariam à mostra. Deu para perceber que eles levam isso bem a sério!

3. Questões Práticas

Já avisou seu banco que vai viajar? Sim, você tem que avisar com antecedência para poder usar o cartão fora do território brasileiro, mas muita gente esquece disso. Essa medida tomada pelos bancos é uma forma de evitar fraudes.

Quando fui para a Ásia e fiquei 3 meses viajando, apesar de ter avisado ao banco de que viajaria por 3 continentes em um espaço relativamente curto de tempo, tive meu cartão bloqueado

conta-bloqueada

Na verdade todo o acesso a minha conta foi bloqueado pelo banco, que eu usava por meio de um aplicativo. No momento do bloqueio eu estava em uma ilha do tamanho de uma ervilha no Golfo da Tailândia.

Um problema que me tirou noites de sono, afinal o fuso-horário era de 10 horas. Isso me fez gastar com telefone, e me gerou contratempos bem desagradáveis. Tudo isso com eles alegando que era para a minha própria segurança.

Apesar de eu ligar do telefone que estava registrado no sistema do banco e mandar e-mails da minha conta pessoal que também está registrada nele a resposta era sempre negativa.

Nem minha gerente do banco, que estava ciente do episódio, tinha autonomia para liberar o meu aplicativo, ainda que minha mãe tenha ido pessoalmente solicitar ajuda. 

No fim das contas, após mandar um e-mail bem contundente prometendo um pequeno processo para o cara que realmente mandava, afinal, nunca ninguém é responsável por nada nos bancos brasileiros, ele pediu desculpas e liberou meu acesso.

Eu tomando todos os cuidados anteriores ainda tive problemas, imagina se não tivesse comunicado ao banco que viajaria.

Portanto, NUNCA esqueça de fazer a notificação de viagem. Eu recomendo fazer pelo internet banking, mas se tiver qualquer dúvida, vale a pena ir pessoalmente informar o seu gerente sobre o seu roteiro.

Para evitar surpresas, sempre leve uma quantidade de dinheiro reserva para arcar com pequenas despesas nesse período. Nunca se sabe!

4. Achar Que Coisa Ruim Só Acontece No Brasil

Gente, que o Brasil tem índices alarmantes de violência, todo mundo sabe. Mas, acredite, nós não somos os campeões de tudo de ruim que acontece no mundo não. Gente ruim, safada e sem moral tem em todo o lugar.

Por isso, precisamos saber identificar a postura que devemos tomar em cada lugar que visitamos. Por exemplo, Paris é um lugar que você tem que ficar bem esperto. Principalmente em metrôs, estações de trem e lugares mais afastados.

Ano passado peguei um trem (TGV) de Dijon até Paris, e assim que chegamos na estação Gare de Lyon, fomos abordados por um casal que estava em frente a um caixa eletrônico. A mulher perguntou se falávamos inglês e pediu para que a ajudássemos a sacar dinheiro. 

Meus amigos escolados em Paris, me puxaram pelo braço e me alertaram sobre ser um golpe super comum. Eles te pedem ajuda, conquistam sua confiança e te assaltam. Quando retornamos à estação, lá estava o mesmo casal tentando aplicar o tal golpe.

Por lá é muito comum os chamados pickpockets, os famosos batedores de carteira. Não foram nem 2 e nem 3 amigos que já foram roubados por lá. Acredite, todo cuidado é pouco, ainda que você esteja na maravilhosa Paris.

Pickpocket
Importante estar atento aos chamados pickpockets que aproveitam sua distração para furtar carteiras e itens de valor.

Quando estiver de turista tirando fotos e babando nas paisagens, tome cuidado com bolsas, câmeras, óculos e demais acessórios. Uma vez bobeei e perdi um óculos novinho em uma piscada.

Geralmente em países mais ricos a possibilidade de ser assaltado é sim pequena, mas eles agem na sua distração. Não esqueça que onde tem muitos turistas, também tem gente esperta tentando se dar bem. Algumas vezes pode ser até mesmo outro turista.

Outra coisa que é importante tomar cuidado: cofre de hotel. Nunca esqueça de trocar a senha. E se você tiver mala com cadeado, acho preferível deixar documentos e coisas de valor dentro dela. 

Já tive problemas com vários cofres, apesar de nunca ter sido furtada. Mas, eles não são garantia de segurança total. Então fique atento e avise o gerente do hotel caso note alguma coisa estranha, como cofre aberto e coisas remexidas, nunca se sabe!

5. Parceria

Em algumas viagens estive com pessoas que não tinham exatamente nada a ver comigo. Sabe quando você gosta de aproveitar o momento e curtir o visual sem badalação e necessidade de falar com cada estranho que passa na sua frente? Essa sou eu.

Amo museus e gosto de ficar horas apreciando as obras expostas. Gosto de ir a restaurantes para experimentar comidas diferentes ou me aventurar nas comidas de rua. E não acho ruim tirar um dia para aproveitar o spa do hotel ou mesmo um filme na TV estrangeira.

Sou mais na minha mesmo e não vejo problemas nisso. O que não quer dizer que eu não faça amigos quando viajo. Já fiz muitas amizades que permanecem até hoje. Outras pessoas passaram pela minha vida e não permaneceram. Isso é a lei natural das coisas.

Mas a realidade é que cada um aproveita a sua vida de uma maneira única. Ao meu modo me divirto muito, mas se tenho que me adaptar a uma pessoa completamente diferente, a viagem pode ser bem estressante.

Parceria

Claro que cada um tem que ceder um pouco. Mas imagine que você gosta de sentar a beira da praia e curtir o barulho do mar enquanto toma sol e a outra pessoa está dormindo porque planeja ir para aquela balada durante a noite e beber todas?

Já passei por isso e o resultado: mal nos vimos durante a viagem. O pior é quando éramos forçados a ficar juntas e isso acabava sendo bem chato. Não sabia nada do que a pessoa estava falando e nem ela de mim.

Por isso é bacana trocar figurinhas sobre o que vão fazer antes da viagem e se estiver tudo bem cada um ir para um canto diferente, ok. Afinal, o combinado nunca sai caro!

E você já teve alguma experiência que se arrependeu, mas era tarde demais? Conta para a gente nos comentários.

Até a próxima viagem!

KS.

 

Autor:

Jornalista curitibana, apaixonada por viagens e outras culturas, compartilhando a própria perspectiva sobre lugares, pessoas e costumes.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.