Publicado em Cultura, Viagem

Morar Fora é Bom?

Morar Fora é Bom?

Muita gente tem o sonho de morar fora, acha que tudo vai ser a maravilha que viu nos filmes e que a vida será de cinema. Não digo que não é bom, mas o mar de rosas pode se tornar um lago bem gelado.

Eu planejava morar em outro país quando fosse um pouco mais velha, mas aconteceu antes do esperado. Acho que isso te muda como pessoa, te torna melhor, mas toda mudança exige um certo empenho.

Você vai precisar abrir mão de muitas coisas que aprendeu e praticou a vida inteira. Em alguns momentos o estranhamento será tão intenso, que a vontade de voltar para casa vai ficar te rodeando durante longos períodos.

Morar fora preconceito

Quando o assunto é se adaptar a outro país existem choques que você tem que enfrentar. Alguns você vai tirar de letra, outros nem tanto. Se você tem alguém para te guiar com paciência tudo será mais fácil, mas se não tem, acredito que será bem mais sofrido.

Em primeiro lugar quero lembrar que essa é a MINHA experiência morando fora. E que pode ser completamente diferente com você. Quero lembrar também que passar uma temporada fora do país nada tem a ver com se estabelecer de fato em outras terras.

Já morei em outro estado quando cursava a faculdade de Jornalismo, e apesar de sofrer com vários problemas de choque cultural na região onde me estabeleci por quatro anos e meio.

Ainda assim, lá não tive que abrir mão do meu idioma, da minha maneira de agir, apesar de também ser julgada por isso e muitas outras coisas. No fim das contas, as férias eram meus melhores dias.

Quando você realmente mora fora, as férias continuam sendo maravilhosas, mas aí vem outros problemas como vou contar mais adiante: o não pertencimento.

Como você pode ser afetado

Morar fora comportamento

  • Descobrir como separar o lixo e como descartá-lo no lugar certo pode ser um desafio e tanto. Papel, papelão vidro (separado por cores), e orgânico podem ter dias e lugares diferentes de descarte. E, muitas vezes, você passa por isso.
  • Saber como lidar com as pessoas é um dilema. Às vezes você acha que está fazendo tudo certo, mas na verdade está tudo errado.
  • Limpar a casa na Europa e EUA é completamente diferente da forma que fazemos no Brasil. Nesses lugares água é a última coisa que você vai precisar.
  • Você não vai encontrar facilmente nos supermercados as mesmas coisas que estamos acostumados a ter no Brasil. Desde comidas, até produtos de limpeza e higiene pessoal.
  • O mesmo acontece nos restaurantes. Pode ser que você ame o que eles servem, pode ser que você odeie.
  • Apesar de eventualmente você se acostumar com a paisagem, com a arquitetura e com o modo de vida, sempre algo vai te saltar os olhos e te surpreender.
  • Coisas que você achava que ia amar, você vai descobrir que não é tão bom assim. Afinal, nem tudo são só flores.
  • A solidão vai bater pesado, mesmo que esteja rodeado de pessoas. E vai ser difícil descobrir em quem confiar ou quem só quer te taxar de “gringo” ou “estrangeiro”. Experimenta não dançar como a banda toca para você ver.
  • Você provavelmente vai ter dificuldades de se sentir em casa, mesmo que volte para o seu país. Você vai ter sempre a sensação de que algo está faltando, do não pertencimento.
  • Os brasileiros que moram fora, também vão estar mudados, então se você não tiver a sorte que eu tive de encontrar “bons brasileiros”, você vai acabar se isolando deles por completo. E tem outra, se você decidir se relacionar somente com a comunidade brasileira do país em que vive, você não vai evoluir e provavelmente retornará para o Brasil mais cedo do que imagina.
  • Você vai sofrer preconceito mesmo que não perceba. Até provar o seu valor, você é só mais um estrangeiro tentando tirar o lugar de um nativo. Isto é, um estranho no ninho. O jeito é entender que você é o “patinho feio” agora, mas em breve você será Cisne, pense nisso.

Esses foram somente alguns pontos que me recordei, mas no dia a dia muita coisa pode aparecer.

Morar fora Cisne

Eu tenho batido muito nesse ponto, porque, especialmente nós brasileiros, temos o hábito de romantizar tudo. E, muitas vezes, isso pode fazer a gente cair em uma cilada violenta.

Então se você sonha em morar fora, planeje tudo com muito cuidado, leia muito a respeito, se prepare financeiramente e psicologicamente, pesquise sobre o lugar, as curiosidades, as particularidades da cultura.

Se você fizer isso, as chances de dar errado serão muito menores e você poderá sim descobrir a felicidade em outro país. Longe de mim desencorajar alguém a correr atrás dos seus sonhos. Mas, cautela nunca é demais.

Leia mais sobre Choque Cultural – As 4 Fases Que Você Deve Vencer.

Muitas pessoas perguntam se tenho vontade de voltar ao Brasil. Eu te digo que tenho pelo menos três vezes ao dia. Mas quando você se descobre cidadão, ainda que não tenha de fato a cidadania definitiva, fica mais difícil voltar e você acaba aprendendo a valorizar seu novo lar e conquistar seu espaço.

Morar Fora Conquitando seu espaço

O Perigo da Falta de Planejamento

Outro dia li em um post qualquer, que uma cidade italiana estava pagando vários Euros para as pessoas se mudarem para lá. Nos comentários uma porção de gente escrevendo que quer saber como faz, que já está fazendo as malas.

Essa ânsia de morar fora pode sim ser  prejudicial. Tem maluco que larga tudo sem pesquisar nada antes e “bora lá”! Se fosse fácil assim e ainda sendo pago para isso eu seria a primeira da fila.

Só esquecem de dizer que você precisa ter passaporte italiano ou europeu em geral e trazer algum benefício para a cidade. Seja fazendo algum investimento ou coisa parecida.

Mas, enfim, existem muitas formas de imigrar, se você quiser fazer da forma certa, vai com calma. É sim possível, mas pé no chão e muita pesquisa. Nesses termos, ainda mais se você tiver família por perto, vai ser uma experiência e tanto.

E você, tá pensando em imigrar? Qual país está nos planos? Conta para a gente!

Até o próximo post!

Bjos

KS.

Publicado em Cultura, Viagem

“Não Me Toque”

“Não Me Toque”

Você já ouviu a expressão “não me toque”? Normalmente, quando você diz: aquela menina é cheia de “não me toques”, queremos nos referir a uma pessoa que se ofende facilmente, e você tem que pensar mil vezes antes de falar alguma coisa para pessoas assim.

Nas minhas andanças pelo mundo, tenho ouvido muitos brasileiros dizendo que os europeus são rudes, mas ouço os europeus dizendo que o brasileiro é basicamente cheio de rodeios. Resumindo, nós não seríamos diretos, ou seja, seríamos “cheios de dedos”.

Cheio de dedos

Ah, hoje é o dia das expressões! E essa atitude de tentar não magoar o outro e não dizer que “o gato morreu, mas subiu no telhado e foi fatal” pode soar como escorregadio e até mesmo falso para pessoas acostumadas a serem diretas. Já os europeus seriam rudes, insensíveis e não sabem falar “com jeito”.

O Que é Frontalidade?

Frontalidade é a palavra para designar a forma de se falar diretamente. Característica conhecida dos europeus, que não fazem rodeios, nem nada de delongas e que muitos brasileiros veem como rude e indelicado.

Esta é mais uma questão cultural de que quem tem que viver longe de casa, tem que enfrentar. Para nós brasileiros essa frontalidade assusta, mas eu, particularmente, acho que é bem positivo.

Às vezes pode parecer uma voadora no estômago, mas com o tempo as coisas vão se ajeitando e você passa a se acostumar melhor com a ideia. Outras vezes o golpe é fatal.

Golpe Fatal

Conheço gente que jura de pés juntos que nunca mais volta para o país em que experimentou uma situação ruim e totalmente contra a nossa cultura.

Você chega cheio de sonhos e expectativas e é normal que seja surpreendido com as novidades do novo país e principalmente das pessoas que nele habitam.

Se você vai morar nesse país com a sua família, acredito que seja bem mais fácil lidar com isso, porque você sempre volta para o aconchego do lar, mesmo estando a milhares de quilômetros de casa.

A coisa pega quando você é obrigado a lidar somente com pessoas inicialmente estranhas e aí não tem para onde correr.

Na minha humilde opinião, acho que a maior dificuldade sobre a frontalidade está em relacionamentos interculturais, pois muitas vezes, essa forma direta de se falar acaba levando uma das partes, que não está acostumada com isso, a pensar que o outro não respeita e não entende essa pessoa.

Leia mais dicas em 10 Dicas Para Você Que Vai Viajar Para a Ásia.

Essa linguagem direta pode causar ruídos na comunicação e se não houver completo empenho de ambas as partes, pode culminar no fim desse relacionamento. Afinal, elas acabam tomando um banho de água fria e logo desistem.

Banho de água fria

Onde cada um tinha que ceder um pouquinho para chegarem a um denominador comum, aqui, abrir mão de muitos hábitos e comportamentos, é um ato constante.

E, veja bem, aqui estou falando de QUALQUER tipo de relacionamento intercultural. Seja em um namoro, casamento, relacionamento profissional, amizade e assim por diante.

Neste caso todos tem que ceder, sem exceções. Isso se quiserem levar adiante suas vidas com pessoas de diferentes culturas nela.

Leia esse post que eu escrevi que fala sobre Choque Cultural – As 4 Fases Que Você Deve Vencer.

Assertividade

Para que todo esse empenho resulte em assertividade, um estudo anterior sobre a cultura em que se está inserindo é imprescindível. Lembra de tudo o que falavam sobre o lugar para o qual está indo? É tudo verdade.

Alvo assertividade

Para ser mais precisa, é uma espécie de caricatura do nativo daquele lugar. Onde você acentua certos pontos mais marcantes da cultura para demonstrar seu propósito. No fim das contas, o retrato não é fiel, mas diz bastante a respeito do caricaturado.

Ouso dizer que algumas caricaturas são mais leves do que deveriam. Conheço pessoas que são mais exageradas do que a “fofoca” sobre certas culturas.

Um dos povos que mais admiro,os japoneses são conhecidos por serem disciplinados e trabalhadores ferrenhos. Alguns são tanto, que não tem vida fora do trabalho. São completamente workaholics inveterados.

Os russos, falam alto e são conhecidos por uma certa agressividade. Não aceitam nada que não seja da cultura deles e a impõe com a mesma força com que os nipônicos trabalham.

Os suíços são bem preconceituosos ainda que achem essa palavra horrível e nunca admitam. Ainda assim, costumam se referir aos outros pela nacionalidade que é entregue pelas características étnicas e genéticas que carregam, mesmo que o passaporte desse indivíduo aponte para a mesma nacionalidade que a deles.

Leia mais sobre a Suíça em 20 Coisas Incríveis Sobre a Suíça.

Os portugueses são mais amistosos, ainda assim, possuem a frontalidade comum aos europeus, o que pode dar a eles a estigma de grosseiros e quando se trata de brasileiros, existe a fama de rivalidade e chacota constantes.

E assim sucessivamente. As caricaturas independem de onde você é. As pessoas costumam ter uma opinião formada medida pelas experiências ruins que tiveram em contato com outras culturas.

Mas não podemos esquecer que tudo tem dois lados. Sempre tente enxergar o lado bom que a outra cultura pode te oferecer, sua estadia em outro país será bem mais fácil.

Minha Dica Para Lidar Com o Problema

Não existe fórmula mágica para lidar com essas diferenças culturais. Se você escolheu morar em outro país, como eu, tem que aprender a lidar com as situações da melhor maneira possível.

Sem pânico

Como já disse antes, leia sobre tudo o que diz respeito a cultura a qual pretende se inserir. Mas tudo mesmo que achar. Às vezes, uma coisa que aos nossos olhos pode parecer tosca, para eles pode ser o fim do mundo e criar um grande atrito.

Tente se colocar no lugar do estrangeiro com quem se relaciona. Na verdade, ele não está fazendo nada a que não esteja acostumado. O problema está no receptor.

Essa frontalidade, inicialmente assustadora, não tem como objetivo magoar ou ser rude com ninguém. É simplesmente assim que eles veem a vida e não é a sua chegada no círculo social deles que vai mudar a perspectiva de sempre.

Muita conversa também pode ser um excelente motor para os relacionamentos. Diga como se sente, peça paciência e mostre o seu ponto de vista.

Se não funcionar vale repensar se vale a pena estar em uma relação em que a pessoa não se importa com o que você está sentindo.

Afinal, se a pessoa também escolheu se relacionar com uma pessoa de uma cultura diferente, ela também precisa reaprender a lidar com a situação.

Se achar que vale a pena, insista. Essa relação só tem a enriquecer os dois lados. O respeito à cultura alheia tem que ser permanente. Não importa se você é turista ou expatriado, RESPEITO é a palavra de ordem.

Se esse respeito for usado com frequência, garanto que não há nada que não seja superado e melhorado.

E, no final das contas, você vai se pegar fazendo as mesmas coisas que eles. Contando que sejam somente as coisas boas, você vai crescer muito como pessoa, como cidadão e vai passar a se conhecer muito melhor.

Sem contar que a frontalidade vai lhe ensinar com o tempo que você vai poupar muita energia e ser uma pessoa mais objetiva e focada.

Leia também Viajante ou Turista? – Dicas Para Viajar Tranquilo.

E aí? Já passou por uma situação de frontalidade em que se magoou e preferiu abrir mão do contato com a pessoa ou reagiu de outra maneira? Conta para a gente aqui nos comentários.

Até o próximo post!

KS.

 

 

 

 

 

 

 

Publicado em Cultura, Dicas, Viagem

Viajante ou Turista? – Dicas Para Viajar Tranquilo

Viajante ou Turista? – Dicas Para Viajar Tranquilo

Hoje eu vou dar algumas dicas para você que vai viajar. Algumas delas servem sempre para absolutamente qualquer viagem, outras são mais específicas. Seja você um turista ou seja você um viajante, eu te garanto que se você tiver bom senso vai se sair muito bem e aproveitar ao máximo seu passeio.

Viajante

Qual a diferença entre viajante e turista?

O Turista

É o camarada ou a camarada que saiu de férias e está curtindo a viagem sem saber ao certo o rumo tomado. Ele não se informa sobre a cultura do destino e age como se estivesse no quintal de casa.

Sempre acha que a cultura alheia é inferior no que difere da dele e não está nem aí para as regras e normas dos outros.

O Viajante

O cara que é chamado de viajante é aquele cara que estuda o lugar para onde vai antes do início da viagem e quando chega ao destino sabe exatamente como se portar, se insere na cultura e não segue itinerários pré-estabelecidos.

Esse tipo de viajante respeita a cultura do outro e se adéqua as normas impostas pela sociedade local. Isto, segundo o dicionário dos super espertos, que acham lindo se colocar acima de qualquer ser humano que viaje para exatamente os mesmos lugares que ele.

Nenhum Dos Dois ou Ambos?

Não entendo o porquê os modismos necessitam de etiqueta. Colocam a tag em tudo o que veem pela frente. Entendo que na prática é mais fácil distinguir um do outro, mas sempre um tem que ser o super vilão e o outro o mocinho.

Na prática todo mundo que viaja é viajante, e também, turista. Então porque a etiqueta? Vamos deixar de frescura porque ninguém é melhor do que ninguém.

Isso não exime ninguém da obrigação de ser respeitoso com a cultura do lugar que pretende visitar.

Turista

Se você respeita as outras culturas e estuda sobre o lugar antes de ir, se você não faz coisas que não se encaixam no bom senso: parabéns, você não fez mais que a sua obrigação.

Se você não está nem aí para as os lugares para onde viaja,  escolhendo qualquer destino que esteja na moda, se não se interessa em saber sobre a cultura alheia e só quer saber de se divertir com o que o lugar tem para oferecer: bom para você.

O que não pode é haver desrespeito de nenhum tipo. Por isso, vou listar algumas coisas que você JAMAIS deve fazer quando for viajar para outro lugar. E essa dica serve até se você for viajar para uma cidade qualquer dentro do próprio Brasil.

Nosso país é uma terra de dimensões continentais e dentro dele temos as mais variadas culturas possíveis. Então, muita calma nessa hora.

O Pulo do Gato

O pulo do gato

Se você fez a tarefa de casa e estudou direitinho, vai saber exatamente como se comportar no país que está prestes a visitar. Mas alguns pontos recomendo prestar atenção.

Escrevi um post específico com 10 Dicas Para Você Que Vai Viajar Para a Ásia para você que está pensando em se aventurar por aquelas bandas.

Mas, algumas coisas você deve prestar atenção com mais afinco, pois, algumas vezes algo que para nós é óbvio, para o outro é exatamente o contrário.

Por favor, observe se existe alguma lei absurda no país que você nunca imaginaria ser crime ou coisa parecida. Alguns países punem mesmo os estrangeiros, sob alegação de que devem conhecer as leis do país já que decidiram visitá-lo, o que eu concordo absolutamente.

Se está pensando em viajar para Cingapura, por exemplo, você PRECISA ler este post que escrevi sobre as 10 leis que você não vai querer quebrar de jeito nenhum!

Uma dica que funciona sempre, é não mostrar ombros e joelhos em templos de qualquer religião. Melhor pecar pelo excesso. Você pode ser “convidado” a se retirar em alguns templos, caso não siga essa regra.

Tocar a cabeça de crianças em culturas orientais é extremamente desrespeitoso. Sabe aquela criancinha fofinha que você quer fazer um cafuné? Fique na vontade, nunca à vontade. Na verdade muita gente pelas bandas do Brasil não gosta também.

A questão é que alguns países (normalmente de maioria budista) consideram a cabeça a parte mais sagrada do corpo. Por isso, nunca toque a cabeça de ninguém. Se a cabeça é sagrada, os pés são a parte mais imunda. Daí a obrigatoriedade de retirar os sapatos na entrada de lugares sagrados, das casas e até de alguns comércios.

Na Europa isso é mais questão de higiene, assim como no Brasil em que algumas casas também tem esse hábito. Mas, geralmente, nós permitimos que visitantes entrem de sapatos. Em países orientais é ofensivo. No Japão até na escola você troca de sapato.

Então fique de olho na entrada se houver lugar para colocar os sapatos, ou se os anfitriões estão descalços. Não espere pedirem para tirar seus “sujinhos” sob pena de ter seus lindos sapatos arremessados para o além. 🙂

Claro que não farão isso (não sei). Mas, alguns são bem enfáticos e você não quer criar uma indisposição já na entrada.

Sapatos

Olhar diretamente nos olhos é ofensivo em alguns lugares, pode demostrar que você está desafiando a pessoa, assim como não olhar em outros lugares, pode significar falta de respeito ou que você não é confiável.

Outra coisa fundamentalmente importante para qualquer pessoa que esteja viajando. Principalmente se você está em um lugar histórico, um museu. Jamais toque em nada, ainda que não haja proteção.

No Museu do Louvre em Paris, a Monalisa fica dentro de uma caixa de vidro e com um cordão de isolamento por esse exato motivo. Gente que não controla a mãozinha nervosa e acha que tem que ver com a mão.

Monalisa

É permitido tocar em algumas obras para uma experiência mais sensorial. Mas, esses casos são devidamente informados. A mesma coisa acontece quando a obra permite que cegos toquem as artes.

Também não suba em estátuas para tirar fotos, por isso não é só falta de educação, mas você pode danificar uma obra que não está lá para seu uso particular. A posteridade agradeceria se pudesse ver a mesma coisa que você viu.

Algo óbvio que parece ser tão difícil para alguns mortais: jogar lixo em qualquer lugar que não seja o lugar exato em que ele deve ser descartado não é aceitável em nenhum cantinho do globo. Belezinha?!

Gente, foto dentro de museus, galerias tem que verificar a “disponibilidade”. Se for com flash está fora de questão. Em alguns lugares, como no “Vale dos Reis” no Egito, você pode ser forçado a pagar uma propina, porque não existe multas regulamentadas.

Mas, estamos falando de lugares sagrados. Em museus normalmente você vai ouvir algum funcionário te “lembrando” de que flashs não são permitidos.  Mas acredite, normalmente existem avisos bem visíveis informando sobre o que não pode.

Garanto que se você se atentar para esses detalhes e realmente dar uma rápida pesquisada na internet, você vai ter uma viagem bem mais agradável para você e para o anfitrião.

Em tempos onde os mecanismos de pesquisas acham de tudo, não tem desculpa, ok?!

Dicas Práticas Para Uma Viagem Fantástica

Gorgetas Tips

  • Alguns dias antes de viajar, durma um pouco mais cedo se o seu destino está a leste, e mais tarde, se se estiver a oeste.
  • Quando a viagem é mais longa e o lugar estiver dentro de um fuso muito diferente, peça um quarto com persianas tipo blackout, assim você pode controlar a hora que quer dormir e não sofrer tanto com o jet lag.
  • Não deixe para trocar para a moeda local somente no aeroporto de destino. Tenha algum dinheiro do país para pagar táxis ou outra emergência. Estude antes os lugares que trabalham com um câmbio melhor. Às vezes a diferença é grande.
  • Fique do  lado direito da escada rolante, da calçada, de onde houver tráfego de pessoas SEMPRE. A regra é a seguinte: se alguém estiver com mais pressa que você, vai te “ultrapassar”, como se fosse de carro mesmo. Portanto, nada de malas, bolsas e afins fechando a escada ou a passagem. Elas devem estar na mesma linha que você, logo à frente ou atrás.
  • Sempre que for reservar um hotel, procure pelos quartos mais afastados das ruas, dos elevadores, das portas de serviço ou de máquinas automáticas que vendem bebidas, snacks e cigarros. Isso vai garantir mais tranquilidade e silêncio durante sua estadia. Se não quiser silêncio, é só fazer o contrário. 🙂
  • Sempre leve a cópia do seu passaporte com você. Em caso de perda ou roubo, o original estará em segurança no seu quarto de hotel.
  • No caso de gorjetas, estude antes o país. Em alguns países, como no Japão, por exemplo, o ato é considerado extremamente ofensivo e em outros países é mandatório que você dê, sob o risco de tomar um “xingão”. Alguns países reservam uma caixinha escrita “tips“, então deixe sua gorjeta discretamente sem anunciar, porque isso pode ser desconfortável para eles.
  • Não esqueça os sinais na porta. Eles estão lá por um motivo. Algumas vezes é uma placa e as vezes é uma luz na parede do lado de fora da entrada. Deixe claro se quer que o quarto seja limpo, se quer a reposição de algum produto ou se não quer ser incomodado. Eu sempre uso a plaquinha de “Don’t disturb” e ligo para a recepção quando preciso de algo. Se tiver como, tranco a porta com corrente por dentro ou na chave normal também. Porque mesmo em hotéis 4 e 5 estrelas, já tive experiências ruins, principalmente na Ásia. Eles sabem ser bem invasivos.Estava eu lá enfrentando meu amado jet lag e as camareiras entravam no meu quarto sem pudores, mesmo com o aviso para não incomodar. Já me pegaram nua, dormindo ou tomando banho. Portanto, previna-se. Um aviso a mais na recepção de que não quer ser incomodado também pode ajudar.

Se você tiver alguma dica para enriquecer nosso conhecimento em como viajar melhor, deixe aqui nos comentários que eles serão muito bem vindos!

Até o próximo post!

KS.

 

 

Publicado em Curiosidades, Viagem

A Magia das Cabines Vermelhas de Londres

A Magia das Cabines Vermelhas de Londres

Quem já foi para Londres e nunca tirou uma foto ao lado de uma das famosas cabines telefônicas vermelhas das terras da rainha, que atire a primeira pedra. Hoje eu conto aqui a história dessas belezuras que encantam quem por elas passa.

Cabine Vermelha Telefônica de Londres

Se você ainda não sabe, a primeira vez que eu fui para Londres eu tinha acabado de tomar a vacina contra a febre amarela. Isso porque, depois de lá, partiria direto para a sudeste asiático, com a primeira parada em Bangkok: o único lugar da face da terra que você tem que passar pelo Health Control (Controle Sanitário).

Mentira! Mesmo viajando para lugares que pediam a carteirinha internacional, com a vacina da febre amarela estampada, nunca me pararam, porque viam pelo meu passaporte que eu estava antes na Europa, onde moro.

Até em Bangkok onde me pararam não pediram a carteirinha, mas você tem que passar mesmo assim pelo controle e preencher um formulário, além de apresentar seu passaporte, claro.

Mas, esse não é o foco do post. Se você quiser saber mais detalhes sobre a vacina contra a febre amarela e os países que exigem que você a tome, acessa o post Vacinas – Vai Viajar? Veja o Passo a Passo a Seguir. Lá eu te conto a minha epopeia quando fui uma das raras criaturas a ter reação à ela.

Depois de uns dias de molho, achei sacanagem estar em Londres e não poder aproveitar. Eu tinha uma semana para ficar por lá e não ia ficar presa naquele quarto de hotel completamente sozinha.

Foi quando juntei todas as forças do meu ser e levantei da cama. Meio podre ainda, mas não tinha jeito, eu ia ver alguma coisa de Londres ou mudava meu nome, ainda não sei para qual.

A Real Sobre Londres

Peguei um Uber e disse que queria ir para o Parlamento Inglês ou Elizabeth Tower, como preferisse. Depois de altos papos com o motorista Mohamed, me contando sobre sua imigração para a capital do Reino Unido, ele finalmente me largou na frente, claro que bem nessa hora começou a chover.

Mas, eu não estava nem aí. Eu queria mesmo era curtir o frenesi de Londres e não tinha chuva que me fizesse parar. Gente, Londres é, sem dúvidas, um dos lugares que mais gosto no mundo.

Eu estava eufórica para conhecer o cenário de tantos filmes de princesa da minha infância que me acompanharam até a minha adolescência. Para onde meus olhos pairassem, eu ficava em um estado de encantamento puro.

Foi quando ao caminhar sobre a ponte, depois de apreciar um escocês tocando gaita de foles, o Darth Vader performando com sua incrível espada, uma loja de souvenir encantadora, descobri que a parte da Elizabeth Tower onde fica o relógio de quatro faces e o sino – O Big Ben, estava em reforma e só ficaria pronto em “3079”, ou melhor 2021, fiquei super chateada.

Mas passou em três segundos, porque avistei os telefones vermelhos em “filinha indiana”. Ai que emoção gente! Ali, me dei conta de que estava em Londres. O chato de viajar sozinho é não ter com quer dividir essas coisas bobas. Mas, foi bom demais mesmo assim.

Cabines telefônicas Londres

Sim, eu estava lá do ladinho de uma delas garantindo a minha selfie. Mas, te garanto que não era só eu. Toda hora as cabines tinham um turista parando para fazer seu sonhado clique.

Acho meio esquisito pagar de turista sozinha, não sei porquê. Todo mundo me fala que não tem nada a ver, mas fico meio sem jeito. Mas, fazer o quê? Tinha que tirar a foto, não é? No fim nem doeu, mas podia ter alguém para tirar uma foto de corpo inteiro para mim. 😦

IMG_5905

Bom, mas eu vim aqui para contar a história dessas vermelhinhas, não é? Então vamos ao que interessa.

Como Ficaram Famosas?

Em 1924, o designer Gilles Gilbert Scott, foi convidado para participar da competição que definiria o novo modelo das cabines telefônicas londrinas, vencendo.

A partir de então, elas sofreram pequenas modificações, como por exemplo a cor, que segundo o design de Scott, seria prata, com interior verde azulado.

A cor então definida foi o Post Office Red, o vermelho tão conhecido, que pintou as Red boxes que começaram a aparecer pelas ruas de Londres e de outras cidades. Mas virou sinônimo da capital inglesa.

A cor creme também é vista em outras cidades e algumas estão em Londres, mas são bem raras.

Por que K6?

A série chamada K e o número que segue a letra, vem de Kiosk Nº1, que passou a ser designada somente K1. As versões seguintes seguiram a ordem numérica até a versão K8, após isso, começaram a ser chamadas KX. A versão que domina as ruas hoje é a K6, mas outras versões podem ser vistas mais raramente.

  • K1 – Foram os primeiros modelos criados. Eram de cor creme com algumas colunas em vermelho.
  • K2 – Essas já foram as projetadas por Gilles Gilbert Scott. Depois do concurso para criação das novas cabines, elas já eram basicamente as vermelhas que ficaram tão famosas. Scott se inspirara no domo do mausoléu de Sir John Soane que dava nome ao museu no qual Scott trabalhava.
  • K3 – Também projetada por Scott, foram idealizadas para serem mais baratas e possuem a cor creme da antiga K1. Duraram pouco e uma ainda resiste no London Zoo.
  • K4 – Produzida pelo departamento de engenharia da Post Office, a K4 teve caixa de postagem integrada e uma máquina para a compra de selos do lado de fora. Apenas dez exemplares ainda sobrevivem.
  • K5 – Não se sabe se as K5 chegaram a sair do papel. Seriam cabines para serem desmontadas e montadas para o uso em eventos.
  • K6 – O “Jubilee Kiosk“, ou “Quiosque do Jubileu”, foi construído para celebrar o Jubileu de Prata do Rei George V. Novamente desenhadas por Scott, o design é aquele que vemos ainda nas ruas da Inglaterra nos dias de hoje. Menor que a K2 e mais barata, com algumas outras alterações.
  • K7 – O arquiteto Neville Conder foi chamado para redesenhar a cabine em 1959. Mas, o protótipo não foi adiante.
  • K8 – Bruce Martin em 1968 apresenta o novo modelo feito em sua maior parte em vidro. Se por um lado resolvia problemas de iluminação, eram frágeis demais e logo foram descartadas. A cor era de um vermelho mais vivo, chamado de Poppy Red que passou a ser o padrão dali em diante.
  • Kx -Quando o Post Office foi privatizado, em 1981, se tornando British Telecom, foi anunciado que as cabines telefônicas vermelhas seriam todas pintadas com a cor da companhia, o amarelo. A reação da população não poderia ser pior e a British Telecom teve que ceder. Kx, foi o nome dado à série com subsequêntes melhorias feitas nas cabines, como acesso a cadeira de rodas, por exemplo.

O Futuro das Red Boxes Está Traçado?

As más línguas dizem que os dias dessas caixas vermelhas estão contados. Será mesmo? Eu escuto isso acho que desde 2016 e no ano passado (2018) quando estive lá, por onde eu andei lá estavam elas lindas e super vermelhas.

Isso porque nada menos do que 2000 delas belezuras são protegidas devido sua importância histórica.

Apesar de que me surpreendi ao já avistar umas de cores diferentes: pretas e verdes. Parece que as pretas vieram para substituir as vermelhas, mas com algumas melhorias. Elas agora tem wi-fi aberto ao público. Sempre via alguém encostado em uma delas e com o celular na mão.

Elas tem basicamente a aparência das vermelhas. O que muda é a cor, que é preta. Além de internet free, display touch com mapa interativo e um telefone, obviamente.

As Green Box, são as cabines verdes. Elas são mais um complemento com outra finalidade, a de carregar celulares com energia solar (por isso são verdes). Basta assistir a vídeos promocionais que você consegue carregar seu telefone de graça.

Mas, Londres sem as famosas caixinhas vermelhas, não teria a mesma graça. Elas representam a cidade e são lindas demais. Após uma campanha, muitas delas foram vendidas por 1 Euro e foram transformadas em quiosques de vários tipos. Desde vendas de souvenirs, biblioteca e até floricultura.

Achei criativa a nova designação para que elas se mantenham na cidade, porém com uma nova função.

E você, o que acha das Red Boxes inglesas? Conta aí nos comentários.

Kisses

KS.

 

 

 

 

 

Publicado em Cultura, Curiosidades, Viagem

As 7 Maravilhas do Mundo Moderno

No último post falamos sobre as 7 Maravilhas do Mundo Antigo. Neste, vou te contar sobre As 7 Maravilhas do Mundo Moderno, também conhecidas como “Novas Sete Maravilhas do Mundo”.

Em 2007 a organização suíça New Open World Corporation (NOWC), abriu uma votação pela internet, aonde mais de 100 milhões de pessoas ao redor do mundo, elegeram as novas maravilhas.

De 177 potenciais indicações, 77 maravilhas passaram para a próxima fase. A NOWC selecionou um grupo de autoridades em arquitetura reconhecidos mundialmente, juntamente com o ex-diretor geral da UNESCO, o espanhol Federico Mayor Zaragoza.

Esse time selecionou 21 monumentos finalistas que participaram da votação mundial feita pela internet.

No dia 7 de Julho do mesmo ano (07/07/07), em uma cerimônia realizada no Estádio da Luz, em Lisboa, eram anunciadas, mais de dois mil anos depois, as 7 Maravilhas do Mundo Moderno.

As 7 Maravilhas do Mundo Moderno


A Necrópole de Gizé, no Egito, que estava na lista dos 21 monumentos finalistas, foi removida para receber o título de Maravilha Honorária.


Confira a Lista dos 21 Monumentos Finalistas:

  1. Castelo de Neuschwanstein – Schwangau – Alemanha
  2. Torre Eiffel – Paris – França
  3. Acrópole de Atenas – Grécia
  4. Hagia Sophia – Istambul – Turquia
  5. Kremilin e Catedral de São Basílio – Moscou – Rússia
  6. Coliseu – Roma – Itália
  7. Stonehenge – Amesbury – Reino Unido
  8. Alhambra – Granada – Spain
  9. A Grande Muralha da China – Badaling – China
  10. Templo de Kiyomizu – Kyoto – Japão
  11. Sydney Opera House – Austrália
  12. Angkor Wat- Siem Reap – Camboja
  13. Taj Mahal – Agra – Índia
  14. Tombuktu – Mali
  15. Petra – Jordânia
  16. Pirâmides de Gizé – Egito (Maravilha Honorária)
  17. Cristo Redentor – Rio de Janeiro – Brasil
  18. Moais da Ilha de Páscoa – Chile
  19. Machu Picchu – Peru
  20. Chichén Itzá – Yucatán – México
  21. Estátua da Liberdade – Nova Iorque – EUA

Agora, sem mais delongas, vamos para a lista dos grandes vencedores:


1. TAJ MAHAL – Índia

Assim como na lista antiga, não podia faltar um mausoléu na lista das novas maravilhas do Mundo Moderno. O Taj Mahal foi tombado em 1993 pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.

Aryumand Banu Begam, a esposa favorita do imperador Shah Jahan, deu a ele quatorze filhos, mas morreu após o nascimento do último. O Imperador desolado, mandou construir entre 1632 e 1653 a maior prova de amor do mundo (como o Taj Mahal é conhecido) em sua homenagem.

Mumtaz Mahal (Jóia do Palácio), era como ele chamava sua esposa predileta. Por isso o  monumento foi incrustado de pedras preciosas e teve sua cúpula costurada com fios de ouro.

Mas, a história de amor de Shah Jahan não tem final feliz não. Seus filhos macomunaram contra ele e o aprisionaram no Forte de Agra. Segundo a lenda, a única coisa que o confortava é que ele tinha uma janela da qual podia observar o Taj Mahal todos os dias.

Quando finalmente faleceu, um de seus filhos o enterrou junto de sua amada, causando a única ruptura da estrutura.

Uma curiosidade sobre o Taj Mahal são suas quatro torres inclinadas levemente para fora. A intenção era precaver um possível terremoto ou afins, fazendo com que as torres não caíssem sobre a estrutura principal.

Taj Mahal
O Mausoléu indiano – Taj Mahal

2. CHICHÉN ITZÁ – México

Localizada em Tinum, no estado de Yucatán, no México, a cidade de Chichén Itzá foi construída pelos Maias no Período Clássico.

Um dos maiores centros urbanos dos Maias, a cidade possuía uma população muito diversificada para os seus padrões. Estudos mais recentes atribuem também a presença de estilos não Maias à forte difusão cultural existente naquela época.

Até março de 2010 as terras sob as ruínas de Chichén Itzá eram de propriedade privada. Foi quando o estado de Yucatán comprou a área.

A parte mais conhecida da cidade é a Pirâmide de Kukulkan ou Kukulcán (não vai confundir com a Ku Klux Kan “pelamordedeus”), que significa o “deus serpente”. Ela tem 365 degraus, um para cada dia solar e tem 24 metros de altura.

Mas o sítio arqueológico é composto também pelo Templo de Chac Mool, a Praça das Mil Colunas e o Campo de Jogos dos Prisioneiros. Sua construção data dos séculos IX e XII.

Chichén Itzá
Pirâmide de Kukulkan no México

3. PETRA – Jordânia

Localizada ao sul da Jordânia, Petra é uma cidade histórica e arqueológica, famosa por sua arquitetura esculpida nas rochas.

A “Cidade Rosa”, nome dado por conta da coloração de suas pedras, é símbolo da Jordânia, além da atração mais visitada do país. Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1985, a cidade foi “apresentada” ao mundo ocidental somente em 1812 pelo suíço Johann Ludwig Burckhardt, o primeiro europeu a “descobrir” as ruínas.

Cenário de filmes famosos, como o lendário Indiana Jones e a Última Cruzada, a cidade ainda é uma incógnita.

Sob o domínio de Constantino, Petra prosperou até o ano 363. Mas, um terremoto na Galileia, destruiu quase metade da cidade. Em 551, outro terremoto em Beirute arrasou a cidade quase que por completo.

Foi quando Petra não conseguiu se recuperar e deixou de ser rota comercial. Desde então suas ruínas são objeto de visitação e fascinação para os turistas.

Petra

4. GRANDE MURALHA DA CHINA

Pedra, granito, tijolo e madeira. Esses são basicamente os materiais utilizados na Grande Muralha da China. Ela foi construída entre os séculos III a.C e XVII d.C. e possui de 7 a 10 metros de altura e mais de 20 mil quilômetros de extensão.

Antigamente falava-se que a Grande Muralha era o único monumento feito pelas mãos do homem que era possível ser visto da Lua a olho nu. Em 2003, após o primeiro voo espacial chinês, o astronauta Yang Liwei disse que realmente não era possível ver nada.

Apesar de ser a maior estrutura militar de defesa, a muralha é mais conhecida como o maior cemitério do mundo. Isso se deve ao fato de que muitos dos trabalhadores morreram enquanto trabalhavam erguendo o monumento.

Construída ao longo de mais de 1500 anos, ela foi totalmente finalizada no século XVII, durante a Dinastia Ming.

Muralha da China
Trecho da Grande Muralha da China

5. COLISEU – Itália

A capital da Itália não podia deixar de figurar na lista das novas maravilhas. Em Roma, está situado, nada mais nada menos do que o Coliseu. Na verdade o nome oficial do Coliseu é Anfiteatro Flaviano, e é o maior a ser construído.

Com capacidade entre 50 mil e 80 mil espectadores, o Coliseu foi construído entre 70 d.C. e 90 d.C., sendo inaugurado antes de ser concluído, entre 79 d.C. e 81 d.C.

O lugar não era só famoso pelos espetáculos e peças teatrais que apresentava, mas também, por ser palco de combates entre gladiadores, caças de animais selvagens e também execuções.

A política de “pão e circo” foi amplamente utilizada por aqui. Tito, que era o imperador de Roma na época, já decadente, aproveitou o espaço para entreter a população também com esse circo de horrores. No século XVII, o Papa Bento XIV o declarou como local sagrado.

Quando se fala em Roma, logo vem o Coliseu à mente. Símbolo da Roma Imperial, repleto de história e fábulas, sem dúvida, esse monumento merece o título de “Maravilha”.

Coliseu
O Coliseu de Roma se chama Anfiteatro Flaviano

6. MACHU PICCHU – Peru

A Cidade Perdida dos Incas, Machu Picchu, que significa “Velha Montanha” em quíchua, foi construída no século XV, é o principal símbolo do Império Inca que sobreviveu até a invasão espanhola do século XVI.

No meio da Cordilheira dos Andes, a cidade se ergue a 2400 metros de altura, próximo da cidade de Cusco. Também Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1983, ela possui suas construções ainda bem conservadas.

Isso se deve ao fato de quando os espanhóis conquistaram a região, não encontraram a cidade. Por isso, “Cidade Perdida dos Incas”. Machu Picchu só foi “encontrada” em 1911 pelo professor americano Hiram Bingham.

Machu Picchu
Machu Picchu – A Cidade Perdida dos Incas no Peru

7. CRISTO REDENTOR – Brasil

E agora, com vocês, reinando absoluto do alto do morro do Corcovado, emerge o protagonista “brazuca” da lista das 7 maravilhas do mundo moderno, o Cristo Redentor.

A princípio, símbolo do cristianismo brasileiro, mas com o passar dos anos, o Cristo ganhou magnitude mundial. Se tornou Patrimônio Mundial da UNESCOem 2012, alguns anos após vencer como uma das 7 maravilhas.

Hoje o Cristo é sem dúvidas o símbolo de todo o Brasil. Todos os que veem a foto da estátua já a relacionam ao país imediatamente. Inaugurado no dia 12 de outubro de 1931, foi construído em concreto armado e pedra de sabão.

O Cristo mede 30 metros de altura, tirando seu pedestal que mede 8 metros. Seus braços se abrem ao longo de nada menos do que 28 metros de envergadura. Pasmem: a estátua pesa 1145 toneladas!

Ainda assim, por incrível que pareça, desde os anos 90, o Cristo Redentor não é a maior estátua de Jesus Cristo existente.

Em 1990, a Bolívia construiu sua estátua, O Cristo da Concórdia, em Cochabamba, que ultrapassaria a estátua brasileira em 4,20 metros, resultanto em um Cristo gigante de 34,20 metros de altura.

Mas, não acaba por aí. Em 2010, a Polônia construiu uma estátua ainda maior, a Estátua de Cristo Rei. Ela mede 36 metros, deixando o Cristo na terceira posição.

Não pense que estou puxando a sardinha para o monumento brasileiro. Porém, não podemos negar que a sua beleza e localização – na baía de Guanabara – bem como os seus braços abertos, impressionam, tornanado a emblemática estátua, a mais bela de todas.

Cristo Redentor
A estátua do Cristo Redentor no Rio de Janeiro

E aí? Já conheceu algumas das 7 maravilhas de perto? Conta para a gente aqui nos comentários!

Até o próximo post!

KS.

 

 

Publicado em Cultura, Curiosidades, Viagem

As 7 Maravilhas do Mundo Antigo

Você já ouviu falar sobre as 7 Maravilhas do Mundo Antigo? Além de te contar quais são, vou te contar algumas curiosidades sobre elas.

Criada pelos gregos há muito tempo atrás, essa lista dominou e ainda domina o imaginário de muitas pessoas que adorariam ver essas obras frente à frente. Esse foi o intuito de os gregos criarem uma lista assim.

Quase como um itinerário de obras espetaculares criadas pelo homem, que todas as pessoas deveriam visitar, por sua grandeza e magnitude.

 

As 7 Maravilhas do Mundo Antigo

Infelizmente hoje não é possível realizar essa façanha, já que a maior parte dessas “belezuras” não existe mais, com exceção da primeira, que apesar de não conservar todas as características antigas que a conferiram o título, ainda está lá, majestosa, no meio do deserto.

1. A Grande Pirâmide de Gisé

Ao contrário do que estamos habituados a dizer, não são as três pirâmides de Gisé que figuram na lista das 7 maravilhas do mundo antigo, mas somente a maior, a pirâmide de Quéops.

Também Conhecida como A Grande Pirâmide de Gisé ou, somente, A Grande Pirâmide, é a maior das três pirâmides. A única das 7 maravilhas do mundo antigo que ainda existe. O mais interessante é que ela é também a mais antiga obra de todas.

Pirâmide do Egito

Construída como túmulo para o faraó Quéops há mais de 4500 anos, ela está praticamente intacta. Com exceção do revestimento exterior feito de pedras calcárias brancas altamente polidas que brilhavam sob o sol.

Elas sofreram com terremotos e acabaram por serem removidas por outros reis e também saqueadores ao longo do tempo.

A Grande Pirâmide levou de 10 a 20 anos para ser construída segundo os especialistas que defendem teses diferentes. Mas, o que mais impressiona não é a obra em si, mas a engenharia por detrás dela.

Ainda hoje um grande mistério paira sobre a construção das pirâmides. Como puderam ser construídas com recursos tão primitivos e resultar em uma obra de engenharia tão precisa? Como as pedras que formam as pirâmides foram transportadas até o local? Essas são apenas algumas perguntas que talvez nunca serão respondidas.

2. Jardins Suspensos da Babilônia

Se tem uma coisa que eu fico intrigada é como seriam os Jardins Suspensos da Babilônia. Na verdade não existe comprovação exata de que eles realmente existiram. O que se tem, são indícios por meio de escavações que demonstram que eles podem realmente ter existido.

Jardins Suspensos da Babilônia
Imagem de livro publicado em 1912

A teoria mais aceita seria a de que os Jardins Suspensos da Babilônia seriam um presente do rei Nabucodonosor para sua esposa, a rainha Amyitis, em 605 a.C., na Mesopotâmia que sentia saudade da sua terra natal.

Esses jardins eram basicamente construídos sobre terraços, contendo uma infinidade de espécies de plantas, formando uma rica fauna e flora.

3.  Estátua de Zeus

O mais poderoso dos deuses gregos teve uma estátua gigante construída em Olímpia na Grécia. A Estátua de Zeus foi construída em ouro e marfim por volta de 450 a.C., durante 8 anos.

Phídias esculpiu Zeus sentado em seu trono com aproximadamente 13 metros de altura. A escultura ficava no santuário de Olímpia, dentro do Templo de Zeus, claro.

Estátua de Zeus
Reprodução da Estátua de Zeus no Museu Hermitage em São Petersburgo, na Rússia

Arqueólogos apresentam algumas hipóteses para sua destruição. Alguns afirmam que a estátua foi destruída junto com o templo em 426, outros afirmam que ela foi levada à Constantinopla, atual Istambul e destruída em um incêndio posterior que ocorreu por lá.

4. Mausoléu de Halicarnasso

Mausoléu é uma palavra criada a partir do nome do rei Mausolo de Halicarnasso. A tumba construída para que ele fosse enterrado era tão magnífica que entrou para a lista das 7 maravilhas. Desde então, sepulturas luxuosas são chamadas de mausoléus.

Mausoléu de Halicarnasso 2

O Mausoléu de Halicarnasso foi construído entre 353 e 350 a.C. e ficava na Turquia. O monumento era adornado com quadros dos maiores artistas gregos e tinha nada menos que 126 metros de altura.

Além disso, o mausoléu possuía 36 colunas e seu telhado era em forma de pirâmide com uma enorme escultura de mármore no topo.

Entre os séculos XI e XV o mausoléu foi destruído por um terremoto.

5. Colosso de Rodes

Esse monumento eu queria ter vivido para ter visto. Alguns filmes reproduzem a estátua como se cada perna ficasse de lado da entrada da ilha e os barcos passem por debaixo. Sempre fiquei encantada com essa versão.

Colosso-de-Rodes
Colosso de Rodes reproduzido na série Game Of Thrones da HBO

Porém, mais tarde, estudos comprovaram que a estátua ficava no topo de uma colina. O Colosso de Rodes era revestido de bronze, pesava mais de 70 toneladas e tinha mais de 30 metros de altura.

A estátua colossal reproduzia Hélios, o deus Sol. Construída para celebrar a vitória dos gregos contra os macedônios no século 294 a.C., na ilha de Rodes.

Das 7 Maravilhas do Mundo Antigo, esta é a que teria ficado menos tempo em pé, 54 anos até ser atingida por um terremoto em 226a.C., tendo seus joelhos quebrados e caindo.

Seus restos ficaram sob o chão por mais de 800 anos e ainda assim era tão impressionante que atraía muitos turistas para contemplar essa obra. No ano de 653 a estátua teria sido derretida e vendida a um comerciante judeu que precisou de 900 camelos para carregar todo o bronze.

6. Farol de Alexandria

O Farol de Alexandria não fazia parte da lista inicial das 7 maravilhas, mas sim os Muros da Babilônia. O farol só entrou para a lista no século VI, substituindo as muralhas.

Farol de Alexandria
Uma das representações de como seria o Farol de Alexandria

Localizado na Ilha de Faros, o farol foi construído entre 280 e 247 a.C., na cidade de Alexandria. Com uma altura entre 120 e 137 metros, durante muitos séculos foi a estrutura mais alta do mundo, sendo destruído por diversos terremotos entre os anos de 956 e 1323.

4. Templo de Ártemis

O maior templo do mundo antigo, o Templo de Ártemis ou Diana, foi construído em 550 a.C. em Éfeso.

Esta citação de Antípatro de Sídon sobre o templo da deusa da caça e dos animais selvagens, descreve sua grandiosidade.

Pus os olhos nas elevadas muralhas da Babilônia, nas quais há um caminho para carruagens, e na estátua de Zeus pelo Alfeu, nos jardins suspensos, no colosso do Sol, no enorme trabalho das altas pirâmides e no vasto túmulo de Mausolo; mas quando vi a casa de Ártemis que subia às nuvens, aquelas outras maravilhas perderam seu brilho e eu disse: “Eis que, além do Olimpo, o Sol nunca olhou tão alto.”

Duzentos anos após sua construção, o templo foi  destruído por um grande incêndio e depois reerguido por Alexandre o Grande se tornando uma maravilha do mundo antigo.

Hoje em dia, depois de muitos terremotos e saques, das 127 colunas que existiam, uma única foi reerguida por arqueólogos alemães no século XIX, e permanece como símbolo do que um dia o templo foi.

Leia também: Formas de Viajar

E as 7 Maravilhas do Mundo Moderno? Você sabe quais são? Se não sabe eu te conto no próximo post.

Até lá!

Bjos.

KS.

 

Publicado em Cultura, Curiosidades, Viagem

5 Comidas Típicas da Suíça

5 Comidas Típicas da Suíça

A culinária suíça é muito diferente da brasileira. Apesar de amar alguns pratos suíços, alguns não me descem. Durante todo meu tempo na “Terra das Vaquinhas Felizes” perdi quase sete quilos. Por isso, vamos falar de 5 comidas típicas da Suíça que ficaram famosos ao redor do mundo, ou não!

Suíça janela bandeira

A Suíça é conhecida mundialmente por muitas coisas, como por exemplo, o famoso canivete, o chocolate, o relógio, os Alpes. Tudo acompanhado da palavra “suíço”, o que confere garantia de qualidade e precisão. Mas, será que isso vale para a comida?

No Brasil sempre amei tudo o que tinha suíço no fim, como a “Batata Suíça”, “Limonada Suíça e por aí vai. Mas,vou te contar as 5 coisas que são comuns aqui na Suíça que você pode adorar ou odiar.

1. Fondue

No segundo trimestre de 2018 fui para Gramado para conhecer alguns restaurantes que são famosos por lá. Em um deles, tinha o famoso Fondue Suíço.

Pensa na decepção quando comi. Gente, o queijo era muito forte, como é realmente na Suíça, mas acho que aquele era só ruim mesmo.

Suíça Fondue suíço

Apesar de servirem com milhares de coisa na Suíça, o acompanhamento vai depender do tipo de fondue que você pedir. O mais comum é o pão e depois a batata, mas no Brasil você vê de tudo. E o queijo que usamos também não é o mesmo que usam na Suíça.

Quando comi de fato o tradicional fondue suíço, achei forte demais. Consegui comer uns três pedaços de pão e uma batata cozinha daquelas mini, molhadas no queijo, mas foi só.

Primeiro, porque é super pesado e o queijo é bem diferente. Não é que seja ruim, mas comer demais, quando seu paladar gosta mesmo é de parmesão, fica complicado.

O fondue é normamente acompanhado de chá preto ou alguma bebida quente e a maioria dos restaurantes suíços não serve o prato em determinadas épocas do ano, quando o clima esquenta.

Fui agora no começo de maio em um restaurante famoso pelo fondue, para provar outro tipo, mas já tinha terminado a época.

É bom lembrar que existem vários tipos de fondue e que o de chocolate não é normal aqui na Suíça não.

Adoro fondue, mas deixa para quando eu estiver no Brasil! 🙂

2. Raclette

Acho que a Raclette é mais suíça que o Fondue. Brincadeiras à parte, esse prato ganhou meu coração. No momento em que dei a primeira “bocada” parecia que estava subindo em direção ao paraíso. Repeti.

Para quem me conhece sabe o que isso significa. Eu, normalmente como pouco e esse prato ainda é bem pesado.

Raclette é o nome do queijo e também do prato típico. Na verdade o prato ganhou o nome antes do queijo. Racler em francês quer dizer “raspar”.

E é dessa forma que o tradicional prato é servido, raspando o queijo sobre um prato com batatas, e alguns outros vegetais, normalmente, milho e pepino, além de cebolas. Tudo em conserva.

Raclette prato suíço

A Raclette também é servida com chá ou outra bebida quente, mas normalmente vejo as pessoas bebendo vinho branco junto com o prato. O tradicional é o vinho da região de Valais, região de onde vem também a própria Raclette.

3. Cervelat

É quase a “vina” curitibana, mas cem vezes mais saborosa. Sério gente, pensa em um negócio bom. A Cervelat é feita de uma mistura de carne bovina com carne suína e bacon.

A palavra Cervelat deriva do termo em latim cerberum, que significa cérebro, ingrediente que era usado nas primeiras receitas. No século XIX se transformou na receita que é hoje.

De sabor levemente defumado, a salsicha é normalmente usada para fazer saladas realmente deliciosas.

Essa salsicha faz parte da cultura suíça. Muitas pessoas usam a cervelat para fazer churrasco. Eles abrem as pontas e elas ficam estreladas, dizem eles que é uma borboleta e, especialmente as crianças, adoram.

4. Rösti

É a Batata Suíça que conhecemos no Brasil. Apesar de meus colegas suíços dizerem que não tem nada a ver, não vejo muita diferença do Rösti.

A única coisa é que no Brasil você sempre tem mil opções de recheio. Já o Rösti tradicional suíço não é recheado. Ele geralmente vem acompanhado de queijo, cervelat, legumes e um ovo frito por cima.

Eu adoro. Se comer muito dá uma enjoada porque é basicamente batata frita e pode ser bem gordurosa aqui na Suíça.

5. Müsli/Müesli

A maioria das pessoas conhece Müsli no Brasil. Ele foi desenvolvido por volta de 1900 pelo médico suíço Maximilian Oskar Bircher-Benner para seus pacientes.

Chamado na suíça de Birchermüesli por conta do nome do criador, ganhou fama mundo afora mais abreviado, somente Müsli ou Müesli.

Müesli

O cereal à base de flocos de aveia misturado com frutas secas, virou febre no café da manhã no continente americano, enquanto na suíça mesmo, ele é mais consumido à noite como opção ao jantar.

E você? Qual seu prato suíço favorito. Já provou alguns dos alimentos citados? Conta para a gente.

Um super beijo e até o próximo post!

KS.

 

 

 

Publicado em Viagem

Tudo Sobre O Espaço Schengen

Tudo Sobre O Espaço Schengen

Se você você já viajou para o exterior, mais precisamente para a Europa, você já deve estar familiarizado com o termo “Espaço Schengen”. Mas, se você ainda vai viajar e quer saber o que é isso ou ainda está meio confuso, eu te explico tudo.

Acordo Schengen

O Acordo de Schengen foi assinado no dia 14 de junho de 1985 a bordo de um barco no Rio Mosela chamado Princesse Marie-Astrid, justamente nas proximidades de uma pequena cidade de Luxemburgo chamada Schengen. 

A cidade fica em uma região que reúne as fronteiras da Alemanha, Luxemburgo e França, os três países com representantes naquele dia na embarcação.

Mas na verdade, nesse primeiro acordo, cinco países foram signatários: Alemanha, França e Luxemburgo. Este último, no entando, também representava o Benelux (Bloco Econômico composto por Luxemburgo, Bélgica e Países Baixos, que já tinham acordo de livre circulação de pessoas desde 1960).

Os demais países que hoje fazem parte do acordo, assinaram em anos diferentes e foram aderindo aos poucos. Hoje 30 países fazem parte do Acordo de Schengen.

Mas o que é o Espaço Schengen?

Espaço Schengen nada mais é do que a área formada pelos países signatários do Tratado/Acordo de Schengen. Mas, o que isso significa exatamente?

Significa que, uma vez que você entre em um dos países signatários do acordo, você poderá circular por qualquer outro país, desde que também seja signatário, sem precisar passar pelo controle de passaporte novamente.

O país pelo qual você ingressou tem a função de checar se você está apto para entrar na Europa e os demais países confiam nesse julgamento.

Leia também: Missão Aeroporto – Como Não Ser Barrado na Imigração

Isto é, digamos que você esteja viajando para Paris, na França. Mas, seu voo vai fazer uma conexão em Frankfurt, na Alemanha, antes do destino final. O que vai acontecer é que você irá fazer a Imigração/Controle de Passaporte em Frankfurt e não precisará fazer em Paris.

Uma vez dentro do Espaço Schengen não é permitido pelo tratado um novo controle de passaporte. Isto quer dizer que você terá somente um carimbo no passaporte na chegada e outro na saída, ainda que viaje para outros países que fazem parte do espaço, nesse período.


Todos os voos realizados dentro do Espaço Schengen, ainda que sejam internacionais, são tratados como voos DOMÉSTICOS.


Uma coisa precisa ficar clara: nem todos os países que fazem parte do Tratato de Schengen fazem parte da União Europeia e nem todos os países que fazem parte da União Europeia fazem parte do Tratado Schengen. Ok?!

A Inglaterra e a Irlanda, por exemplo, fazem parte da União Europeia, mas não fazem parte do Acordo de Schengen.

Quais Países Assinaram o Acordo?

Até a presente data 30 países assinaram o acordo, porém alguns ainda não colocaram em prática em seus países. Por isso, nem todos estão vigentes. Vou listar por partes para facilitar o entendimento.

União Europeia Schengen

*Estados-membros pertencentes à União Europeia

  • Alemanha
  • Áustria
  • Bélgica
  • Dinamarca
  • Eslováquia
  • Eslovênia
  • Espanha
  • Estônia
  • Finlândia
  • França
  • Grécia
  • Hungria
  • Itália
  • Letônia
  • Liechenstein
  • Lituânia
  • Luxemburgo
  • Malta
  • Países Baixos
  • Polônia
  • Portugal
  • República Tcheca
  • Suécia

*Estados-membros NÃO pertencentes à União Europeia

  • Islândia
  • Noruega
  • Suíça

*Estados-membros em fase de implementação

  • Bulgária
  • Chipre
  • Croácia
  • Romênia

Quanto Tempo Posso Permanecer no Espaço Schengen?

Os brasileiros até o momento não precisam de visto de turista para viajar para a Europa. No entanto, o prazo de permanência no Espaço Schengen é de, no máximo, 90 dias corridos ou não. A questão importante a se observar é a janela de 180 dias.

Relógio

Isto é, se você ficar 3 meses dentro do Espaço Schengen, deverá sair por 3 meses dentro desse espaço de tempo de 6 meses.

Por exemplo, você viajou para Paris e ficou 60 dias por lá. Depois desse tempo voltou para o Brasil. Depois de ficar 30 dias no Brasil, você decidiu voltar para a Europa, mais precisamente, para o Espaço Schengen.

Isso quer dizer que você poderá ficar mais 30 dias no Espaço Schengen e deverá sair novamente por um período de mais 60 dias. É sempre assim, fica 90 dias e sai por 90 dias, fechando assim a janela de 180 dias.

Deixando claro que isso não é garantia de que a imigração vai pegar leve com você. Você continuará tendo que manter todos os outros requisitos de entrada no país como na primeira entrada.

É importante ficar de olho para não ultrapassar nem mesmo UM dia. Se isso acontecer, você pode ter problemas para voltar ao espaço. Dependendo do país, do tempo e do motivo da estadia prolongada, você poderá ser banido do país por 5 ou 10 anos, que é o caso da Suíça, por exemplo.

Para não correr o risco de ficar na dúvida, principalmente se for viajar para vários países, sair e reentrar no Espaço Schengen várias vezes, existe uma calculadora online na qual você insere as datas e ela diz quantos dias você pode ou não ficar no espaço.

Enfim, não esqueça de checar toda a documentação para a entrada na Europa. Aqui no link do Itamaraty você confere a documentação necessária para não ter nenhum problema na sua viagem.

Tem alguma curiosidade sobre esse tema? Conta para a gente nos comentários.

Até a próxima viagem!

KS.

 

 

 

 

 

Publicado em Cultura, Curiosidades, Viagem

Berna – A Cidade dos Ursos

Berna – A Cidade dos Ursos

Berna em alemão “Bärn”, significa urso. E sim, eles estão pela cidade, mesmo que ainda sejam poucos. A “Cidade dos Ursos” é certamente uma das mais belas de toda a Suíça.

A cidade foi fundada no ano de 1191. Diz a lenda que o fundador da cidade Berchtold V, Duque de Zähringen, disse que o primeiro animal que vissem durante a caça seria o que daria o nome a cidade. E, é claro, foi um urso.

Ursos Berna

A capital da Suíça – sim, a capital é Berna e não Zurique -, é uma cidade medieval que me encanta muito para cada cantinho que olho. Poderia passar o dia todo só caminhando e admirando as construções, as ruas, as vitrines da Cidade Antiga. Tudo é realmente surpreendente.

Poucas cidades no mundo são tão conservadas historicamente como Berna. Por esse motivo em 1983 ela se tornou Patrimônio Cultural Mundial da Unesco. Foi em Berna que o físico alemão Albert Einstein desenvolveu a teoria da Relatividade enquanto vivia em terras bernenses.

Bandeira do Cantão Berna
Bandeira do Cantão Berna – Ilustrando o Urso Símbolo da Cidade

Mas outra presença ilustre se tornou a principal atração para os turistas que visitam a cidade suíça. Os ursos ao vivo e a cores são esperados ansiosamente, apesar de muitas vezes preferirem se esconder na caverna construída para eles.

Der Bärengraben – O Fosso Dos Ursos

O primero registro da existência do fosso para os ursos data de 1441. O fosso atual foi inaugurado em 1857 e em 1925 foi concluído, com a construção de uma vala menor para os ursos mais jovens.

O Fosso dos Ursos 1880 Wikipedia_Museu de História de Berna
O Fosso dos Ursos por volta de 1880 Fonte: Wikipédia/Museu de História de Berna
Fosso dos Ursos em 1990
O Fosso dos Ursos em 1890

Nos anos 70 foi feita uma reforma, mas os ativistas já estavam fazendo pressão para que os animais fossem removidos do fosso. O que só aconteceu muitos anos depois.

Ações na justiça foram tomadas com o intuito de melhorar as condições dadas aos animais. A prefeitura da cidade se viu então obrigada a tomar uma atitude.

O fosso ficou vazio por alguns meses em 2009 já que o urso Pedro teve que ser sacrificado em 30 de abril daquele ano. Ele foi o último urso a viver no fosso.

Durante esse período o fosso foi aberto ao público até a chegada dos novos habitantes.

Baeren Park – O Parque Dos Ursos

O Parque dos Ursos foi inaugurado em 22 de outubro de 2009 e aberto ao público três dias depois, dia 25 de outubro. O objetivo principal foi proporcionar  uma melhor qualidade de vida aos animais.

De quebra, criaram uma super atração, já que nos primeiros meses de existência o parque chegou a atrair mais de 20 mil turistas por dia.

Com 6000 metros de área, do fosso até as margens do Rio Aare, os ursos podem agora nadar e até mesmo pescar, caminhar mais livremente. Como consequência se tornaram a maior atração de Berna.

Os turistas adoram vir até o parque para ver o símbolo da cidade em carne e osso. Atualmente o parque conta com a presença de quatro ursos. Björk, Finn, Berna e Ursalina.

Björk and Finn chegaram em outubro de 2009 e os filhotes Berna e Ursalina nasceram em dezembro do mesmo ano. Dois meses após a chegada no parque a fêmea Björk deu a luz a dois bebês ursos: Berna e Urs.

Os bebês só sairam da caverna para um breve passeio em fevereiro de 2010. Foi quando tiveram que mudar o nome de Urs para Ursalina, pois descobriram se tratar de outra fêmea.

Berna e Ursalina
Berna e Ursalina com 6 meses de idade – Foto: Chriusha

Finn, foi separado dos pequenos durante este período para não correr o risco de achá-los fofos demais e devorá-los.

Björk e Berna começaram a ter problemas de relacionamento e em 2013 Berna foi tranferida para a Bulgária. Hoje somente os três ursos restantes vivem no parque.

Bjork
A Ursa-Mãe Björk – Foto: Chriusha

O Parque dos Urso custou nada menos que 24 milhões de Francos Suíços. A estimativa inicial era de 9,7 milhões, mas a instabilidade do terreno que tinha problemas estruturais aumentou significativamente os custos.

Mas, finalmente os ursos de Berna tem o seu próprio espaço que, apesar de não ser o ideal, certamente é bem mais saudável do que o antigo fosso.

O Urso Ataca

Finn, o macho do parque já chegou chegando. No mesmo ano da inauguração um homem caiu no viveiro dos ursos de uma altura de 4 metros e Finn não deixou por menos.

Durante 7 minutos de puro terror, o homem de 25 anos foi sacudido, mordido no tronco e gravemente ferido pelo animal.

Sob gritos de turistas que jogavam coisas no urso a fim de distraí-lo, a polícia atirou em Finn para contê-lo.

Urso Finn
Urso Finn – Foto: Chriusha

A polícia informou que o homem tinha problemas mentais. O diretor do parque disse que naquele momento os tiros eram a única forma de parar o ataque já que dardos tranquilizantes demorariam muito tempo para fazer efeito.

Ele reforçou também que Finn estava defendendo seu território e que não havia como prever o acontecido. Tanto o urso quanto o homem se recuperaram do acontecido.

A Cidade Antiga

Berna se juntou a Confederação Helvétiva em 1353. Em 1045 houve um grande incêndio na cidade que dizimou os edifícios de madeira. Hoje os edifícios de arenito são os que dão vida a cidade.

Vista da Ponte
Rio Aar em Berna

O Rio Aar ou Aare é o protagonista na cidade. De um verde esmeralda que as vezes muda para o turquesa, são hipinotizantes. No meu caminho para as aulas de alemão, tinha que passar por ele todo o dia. E, acredite, todo o dia ele me encantava.

Não é só de ursos que vive Berna. A cidade é um museu a céu aberto e a quantidade de turístas que você vê logo cedo demonstra como a cidade é interessante e cheia de vida.

Com certeza Berna é uma das minhas cidades favoritas da Suíça.

E você? Gostou da Cidade dos Ursos? Comenta aqui e divide com a gente!

Beijos e até a próxima viagem!

KS.

 

Publicado em Cultura, Dicas, Viagem

Formas de Viajar

Formas de Viajar

Brasileiro é condicionado a sonhar com o estrangeiro. A máxima da grama do vizinho ser sempre mais verde entra com tudo quando a questão é outro continente. Mas por que não viajar somente na companhia de um bom livro?

Conheço pessoas que nunca tiraram os pés do Brasil, mas são os cérebros mais incríveis que conheço.

Desde criancinha, o primeiro sonho enfiado de qualquer jeito na cabeça das crianças brasileiras é de ir para a Disney, nos Estados Unidos de preferência.

Disneyland

Diz “a lenda” que se você realizar esse objetivo será um adulto feliz e pleno ao contar aos amiguinhos que conheceu o Mickey.

Depois você vai crescendo e para mostrar que é aventureiro e desprendido, o incentivo é fazer um mochilão pela América Latina. Afinal, você é ainda muito jovem e a grana ainda é curta.

Se conseguir fazer isso, sua mente será mais evoluída que a dos demais e assim, poderá chamar os outros de “sem-cultura”.

Mochilão 2

Mais para a frente, você já deve estar mais estabelecido e pensando em formar uma família.Então chegou a vez da Europa.

Sua lua de mel com certeza tem que ser em um destino europeu, como Paris ou outro país mais excêntrico, mas com todo o glamour para os casais apaixonados. Isso seria garantia de amor eterno e casamento feliz.

Se possível, depois de casar, ir morar na Europa. Isso mostra quão bem sucedido você foi depois de passar pela “Escola Fundamental da Disney”, “Escola Técnica Machu Picchu” direto rumo ao curso superior na “Universidade Torre Eiffel do Triunfo”.

Torre Eiffel Mapa

Poderia relatar aqui outros momentos da vida em que você está tentando encontrar você mesmo e seu Eu interior. Isso seria mais como um “PhD” e para este caso a receita é viajar para a “Lama Harvard School”, na Ásia. Lá você trará todas as explicações que esteve procurando a vida toda.

Garantia certa de que todos vão te respeitar e seu status de intelectual terá certamente mais de 10k seguidores só no Instagram, já no primeiro semestre após a conclusão de todos esses passos. Voilá! Eis aqui o “Doutor Sabidão das Viagens.

Busca sabedoria Asia

Doutor em Viagem

Agora você já pode dizer a porcaria que é o Brasil, pois você sabe tudo de todos os outros lugares do mundo, ainda que quando tenha ido à Paris, só tenha visitado a Torre Eiffel.

O Louvre é lindo, mas você só viu do lado de fora, afinal não é muito fã de museus e suas histórias. E se entrou, foi para tirar foto com a Vênus de Milo.

Sinto lhe informar, mas essa “linha da mediocridade” que um amigo sempre me falou, não é atingível por todas as pessoas. Linha da mediocridade porque é mais um padrão da sociedade, que impõe idade para a faculdade, casamento, filhos e netos.

Qualquer coisa fora disso prova que você não se adéqua a essa sociedade. Portanto, não pode ser considerada uma pessoa de “sucesso”.

Mas o que importa é que você foi para Paris mano! então está tudo certo.

Gente, viajar é sim maravilhoso. Foi uma das melhores coisas que aconteceram na minha vida. Mas, te garanto que o Arco do Triunfo não teria tanta graça se eu não soubesse a história por detrás desse monumento tão bonito.

A Torre Eiffel também não seria tão mágica sem a história. Tem gente que vai a Paris somente com o intuito de ver essas duas atrações, mas não sabe sobre o Obelisco Egípcio e nem da Estátua da Liberdade que fica bem perto da torre.

A história que liga todas essas maravilhas construídas pelas mãos humanas é fascinante. Por que não mergulhar fundo nela?!

E a França não é só Paris não, tem muita coisa surpreendente para se ver nesse país. Ah! Mas se eu não tirar a foto com a torre como vão saber que fui a França. Bom, se é esse o seu objetivo apenas, faça o que seu coração mandar. Mas o mundo é tão maior.

De repente se você decidir viajar para algum lugar e ler sobre ele antes, você vai ficar sabendo de lugares com histórias incríveis e sua visão vai se expandir.

Na verdade ninguém é obrigado a nada, se quiser ir só para tirar foto, ok. Mas, se você começar a aventura antes ela não precisa de prazo para terminar.

Não estou dizendo para você não ir à Paris e não tirar foto com a torre. Eu mesma tenho dúzias delas. A questão aqui é ampliar sua visão de mundo e abrir as fronteiras do óbvio.

E só a leitura vai te proporcionar isso. E de cara, te dar mais opções para escolher o lugar que será mais interessante para você conhecer.

Que Livros Ler?

Qualquer um que te faça querer continuar a leitura sem ser interrompido. Ninguém quer receber uma ligação de negócios na viagem dos sonhos. O mesmo acontece com um livro que te transporte para qualquer lugar. Comece viajando com seus livros e depois vá em frente.

Ler um livro é se transportar para um mundo completamente novo e cheio de imagens personalizadas que saem direto da sua cabeça. Quer coisa melhor? No livro o mocinho é exatamente como pintou na sua cabeça: seu príncipe encantado.

Seja loiro ou moreno, ele tem a altura que você acha mais atraente, as medidas, os trejeitos, a voz. Tudo isso, tirando todos os defeitos que um homem real teria certamente. Isto é, ele é perfeito.

Isso vale também para as mulheres. Elas tem exatamente as atitudes que os homens esperam delas. Em todos os setores da vida.

O mesmo ocorre com as paisagens. Elas sempre tem a beleza mais estonteante que seus olhos poderiam ver.

Leia livros que te faça mudar as atitudes, crescer enquanto pessoa. Ninguém sabe tudo e ler é uma oportunidade para aprender sobre nós e sobre os outros.

Leia esse post sobre 10 Livros Que Vão Mudar Sua Vida Em 2019

Livros para mudar a vida 2019

Você já conversou com alguém que sabe mais sobre um lugar em que você esteve mais do que você e no fim da conversa descobre que ela nunca esteve lá? Isso não quer dizer que ela não viajou, quer dizer apenas que ela não tirou os pés do chão.

Conte para nós o livro que está lendo agora. Tem alguma sugestão de livro já lido, compartilha aqui.

Até o próximo post!

KS.