Publicado em Cultura, Dicas, Viagem

Formas de Viajar

Formas de Viajar

Brasileiro é condicionado a sonhar com o estrangeiro. A máxima da grama do vizinho ser sempre mais verde entra com tudo quando a questão é outro continente. Mas por que não viajar somente na companhia de um bom livro?

Conheço pessoas que nunca tiraram os pés do Brasil, mas são os cérebros mais incríveis que conheço.

Desde criancinha, o primeiro sonho enfiado de qualquer jeito na cabeça das crianças brasileiras é de ir para a Disney, nos Estados Unidos de preferência.

Disneyland

Diz “a lenda” que se você realizar esse objetivo será um adulto feliz e pleno ao contar aos amiguinhos que conheceu o Mickey.

Depois você vai crescendo e para mostrar que é aventureiro e desprendido, o incentivo é fazer um mochilão pela América Latina. Afinal, você é ainda muito jovem e a grana ainda é curta.

Se conseguir fazer isso, sua mente será mais evoluída que a dos demais e assim, poderá chamar os outros de “sem-cultura”.

Mochilão 2

Mais para a frente, você já deve estar mais estabelecido e pensando em formar uma família.Então chegou a vez da Europa.

Sua lua de mel com certeza tem que ser em um destino europeu, como Paris ou outro país mais excêntrico, mas com todo o glamour para os casais apaixonados. Isso seria garantia de amor eterno e casamento feliz.

Se possível, depois de casar, ir morar na Europa. Isso mostra quão bem sucedido você foi depois de passar pela “Escola Fundamental da Disney”, “Escola Técnica Machu Picchu” direto rumo ao curso superior na “Universidade Torre Eiffel do Triunfo”.

Torre Eiffel Mapa

Poderia relatar aqui outros momentos da vida em que você está tentando encontrar você mesmo e seu Eu interior. Isso seria mais como um “PhD” e para este caso a receita é viajar para a “Lama Harvard School”, na Ásia. Lá você trará todas as explicações que esteve procurando a vida toda.

Garantia certa de que todos vão te respeitar e seu status de intelectual terá certamente mais de 10k seguidores só no Instagram, já no primeiro semestre após a conclusão de todos esses passos. Voilá! Eis aqui o “Doutor Sabidão das Viagens.

Busca sabedoria Asia

Doutor em Viagem

Agora você já pode dizer a porcaria que é o Brasil, pois você sabe tudo de todos os outros lugares do mundo, ainda que quando tenha ido à Paris, só tenha visitado a Torre Eiffel.

O Louvre é lindo, mas você só viu do lado de fora, afinal não é muito fã de museus e suas histórias. E se entrou, foi para tirar foto com a Vênus de Milo.

Sinto lhe informar, mas essa “linha da mediocridade” que um amigo sempre me falou, não é atingível por todas as pessoas. Linha da mediocridade porque é mais um padrão da sociedade, que impõe idade para a faculdade, casamento, filhos e netos.

Qualquer coisa fora disso prova que você não se adéqua a essa sociedade. Portanto, não pode ser considerada uma pessoa de “sucesso”.

Mas o que importa é que você foi para Paris mano! então está tudo certo.

Gente, viajar é sim maravilhoso. Foi uma das melhores coisas que aconteceram na minha vida. Mas, te garanto que o Arco do Triunfo não teria tanta graça se eu não soubesse a história por detrás desse monumento tão bonito.

A Torre Eiffel também não seria tão mágica sem a história. Tem gente que vai a Paris somente com o intuito de ver essas duas atrações, mas não sabe sobre o Obelisco Egípcio e nem da Estátua da Liberdade que fica bem perto da torre.

A história que liga todas essas maravilhas construídas pelas mãos humanas é fascinante. Por que não mergulhar fundo nela?!

E a França não é só Paris não, tem muita coisa surpreendente para se ver nesse país. Ah! Mas se eu não tirar a foto com a torre como vão saber que fui a França. Bom, se é esse o seu objetivo apenas, faça o que seu coração mandar. Mas o mundo é tão maior.

De repente se você decidir viajar para algum lugar e ler sobre ele antes, você vai ficar sabendo de lugares com histórias incríveis e sua visão vai se expandir.

Na verdade ninguém é obrigado a nada, se quiser ir só para tirar foto, ok. Mas, se você começar a aventura antes ela não precisa de prazo para terminar.

Não estou dizendo para você não ir à Paris e não tirar foto com a torre. Eu mesma tenho dúzias delas. A questão aqui é ampliar sua visão de mundo e abrir as fronteiras do óbvio.

E só a leitura vai te proporcionar isso. E de cara, te dar mais opções para escolher o lugar que será mais interessante para você conhecer.

Que Livros Ler?

Qualquer um que te faça querer continuar a leitura sem ser interrompido. Ninguém quer receber uma ligação de negócios na viagem dos sonhos. O mesmo acontece com um livro que te transporte para qualquer lugar. Comece viajando com seus livros e depois vá em frente.

Ler um livro é se transportar para um mundo completamente novo e cheio de imagens personalizadas que saem direto da sua cabeça. Quer coisa melhor? No livro o mocinho é exatamente como pintou na sua cabeça: seu príncipe encantado.

Seja loiro ou moreno, ele tem a altura que você acha mais atraente, as medidas, os trejeitos, a voz. Tudo isso, tirando todos os defeitos que um homem real teria certamente. Isto é, ele é perfeito.

Isso vale também para as mulheres. Elas tem exatamente as atitudes que os homens esperam delas. Em todos os setores da vida.

O mesmo ocorre com as paisagens. Elas sempre tem a beleza mais estonteante que seus olhos poderiam ver.

Leia livros que te faça mudar as atitudes, crescer enquanto pessoa. Ninguém sabe tudo e ler é uma oportunidade para aprender sobre nós e sobre os outros.

Leia esse post sobre 10 Livros Que Vão Mudar Sua Vida Em 2019

Livros para mudar a vida 2019

Você já conversou com alguém que sabe mais sobre um lugar em que você esteve mais do que você e no fim da conversa descobre que ela nunca esteve lá? Isso não quer dizer que ela não viajou, quer dizer apenas que ela não tirou os pés do chão.

Conte para nós o livro que está lendo agora. Tem alguma sugestão de livro já lido, compartilha aqui.

Até o próximo post!

KS.

 

Publicado em Cultura, Viagem

5 Coisas Que São Melhores na Europa

5 Coisas Que São Melhores na Europa

No último post falamos sobre as 5 Coisas Que São Melhores no Brasil. Agora é a vez de falar sobre as 5 coisas que são melhores na Europa.

Europa

A Europa é destino cada vez mais comum para brasileiros que buscam uma segunda cidadania. As razões para isso são as mais diversas possíveis, mas uma coisa é certa: todos estão em busca de uma vida melhor do que a que vivem no Brasil.

Mas o que a Europa tem de melhor para atrair tantos brasileiros ao longo dos tempos? Vou elencar 5 coisas somente, mas posso garantir que a lista pode ficar gigante quando comparamos a Europa com o Brasil fio a fio.

1. Trabalho

Ninguém se iluda que a vida na Europa é mamata, sombra e água fresca. Se seu objetivo é vir trabalhar em busca de uma vida melhor, tenha certeza de que você vai trabalhar muito.

trabalho na europa

Independente da área que você for atuar, acredite, não vai ser fácil. Mas o mais importante – e o que tem atraído muitos brasileiros para a Europa – é saber que seu trabalho tem retorno.

Isto é, se você trabalhar bastante, a chance de ter uma vida digna e decente no país escolhido aumenta significativamente. As exigências pelas bandas do velho continente são muitas, mas na grande maioria das vezes os benefícios valem muito a pena.

O maior problema quanto ao emprego de brasileiros na Europa, é que muitas vezes, os diplomas consquistados com tanto suor no Brasil tem de ser deixados de lado e talvez seja necessário estudar na Europa para ter uma profissão reconhecida.

É claro, que existem as exceções, como quando há a tranferência de multinacionais ou sejam profissões de linguagem mundial, como a dos Engenheiros de Tecnologia da Informação, que são normalmente requisitados em vários países, com os diplomas do país de origem.

A questão é que você pode trabalhar em uma área de atuação muito diferente da sua no Brasil e ainda assim ser muito melhor remunerado na Europa. Todos os trabalhos são mais valorizados de maneira geral.

2. Corrupção

Não pense que foi o brasileiro que inventou a corrupção e que ela só existe no Brasil. Alguns países europeus padecem desse mesmo mal. E da mesma forma que os brasileiros, também tem uma população insatisfeita migrando para outros países quando possível.

corrupção lavagem de dinheiro

A maior vantagem é que se você vive em um país que faz parte da União Europeia, você pode residir e trabalhar no país escolhido sem maiores problemas.

Conheci uma romena no meu curso de alemão que estava se mudando para a Suíça e que me falava horrores sobre a corrupção que a Romênia tem vivido. E que ela estava dando “Graças a Deus” de seu marido ter conseguido um bom emprego na Suíça.

A corrupção certamente acarreta transtornos diretos para o cidadão que paga os impostos e não recebe o retorno deles integralmente. O que afeta diretamente o ponto seguinte que eu vou falar, a qualidade de vida.

A diferença maior na Europa, é que a corrupção é passível de severa punição há muito tempo e os crimes de colarinho branco tem duras penas, o que começamos a ver no Brasil somente nos últimos anos.

Mas uma coisa é certa, para a corrupção no Brasil deixar de ser institucionalizada e haver o real desaparelhamento da máquina pública ainda levará um longo tempo.

3. Qualidade de Vida

Temos que admitir que qualidade de vida é uma coisa difícil de se encontrar no Brasil. Ou você tem uma coisa ou outra, mas normalmente você nunca tem um conjunto completo. O que não deixa de estar interligada ao item anterior, a corrupção.

Quando há desvio de verbas públicas destinadas para um fim específico, é inegável que haverá um buraco que não será fechado tão cedo.

Qualidade de vida

E por qualidade de vida eu quero dizer, bom transporte público ou boas estradas. Segurança nas ruas ou mesmo dentro de casa e uma série de outros pontos que contribuem para facilitar a vida do cidadão.

E isso é uma coisa que, diga-se de passagem é difícil encontrar no Brasil de uma forma completa. Normalmente alguma coisa vai faltar.

Na Europa, na grande maioria dos países que são destinos procurados pelos brasileiros, a qualidade de vida é algo que no fim das contas é crucial para escolher deixar o país.

Aquela história do medo de andar nas ruas e das dificuldades que encontramos no dia a dia é o fator que mais pesa para o brasileiro querer deixar o país. Os indices de violência no Brasil crescem de forma alarmante.

No Brasil vivemos constantemente tensos sem saber se voltaremos para casa com as mesmas coisas com as quais saímos, até mesmo SE voltaremos.

Então, saber que você e seus filhos podem andar nas ruas mais tranquilamente nos dá uma sensação de que temos um problema a menos para pensar.

Quando esse fator desaparece começamos a notar mais as outras coisas e passamos a desfrutar de uma qualidade de vida muito melhor.

4. Controle de Passaporte

Nos países que fazem parte do Espaço Schengen, você não precisa passar pelo controle de passaporte ou obter visto de entrada, caso tenha passaporte de um dos países europeus signatários do acordo.

Controle de passaporte

A maior vantagem é poder transitar livremente, sem ter que ir ao país de origem para tirar o visto para entrar no país desejado.

O Brasil possui entrada livre em mais de 150 países, sem a necessidade de visto de TURISTA. Para qualquer outra atividade, o respectivo visto, como de estudo ou de trabalho, é mandatório.

Ainda quando há a dispensa do visto, é necessário consultar o consulado do país de destino para averiguar a necessidade de outras providências a serem tomadas antes de viajar, como a exigência de vacinas. Eu falo sobre isso no meu post Vacinas – Vai Viajar? Veja o Passo a Passo a Seguir

Quando o visto, mesmo de turista, é requisitado, a coisa complica um pouco, pois isso demanda uma burocracia a mais, além das despesas com viagens e o visto em si. Muitas vezes só o consulado geral emite esses vistos.

Para isso é necessário viajar para a cidade onde haja a emissão do visto, já que normalmente eles estão estabelecidos na capital do país, Brasília ou nas principais cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Leia também Checklist – Tudo Para a Sua Viagem

No site do Itamaraty você pode conferir a lista completa dos países que exigem visto dos turistas brasileiros. Confira aqui.

5. Desigualdade Social

Esse termo é quase inutilizado quando estamos na Europa, a menos que estejamos falando sobre à Ásia, África ou América Latina. Aqui na Europa não é incomum ver pessoas com cargos muito importantes andando de metrô como o ser humano normal que é.

Desigualdade Social

No Brasil temos a mania de endeusar pessoas que possuem poder aquisitivo elevado e fama, como se deixassem de ser de carne e osso e passassem a ter privilégios ultra especiais pelo simples fato de estarem nos holofotes.

A Síndrome Kardashian prevalece no Brasil, como se para ser algum tipo de semi-deus, bastasse ter muito dinheiro. Não digo que as Kardashian são inúteis, pois foram inteligentes o suficiente para fazer da fama relâmpago de Kim, a porta de um império que hoje tem até Reality Show só para elas.

A questão é: qual outro motivo para que elas sejam tão especiais senão a quantidade de dinheiro que possuem? Você imagina a Kim faxinando a super mega mansão dela? Não né?!

Luxo ostentação

Pois é, esse é um privilégio dos somente mega ricos na Europa. Porque pessoas de grande poder aquisitivo e cargos importantes vivem suas vidas normalmente, e muito provavelmente mantém seus filhos estudando nas mesmas escolas que os seus filhos.

Me lembro que quando era pequena todo mundo queria madar seus filhos para estudar na Suíça em colégios internos. Hoje eu sei que quem estuda nessas escolas são só crianças que não são aceitas em outras escolas públicas por serem consideradas crianças problema ou crianças de outros países.

Então, nesses internatos só tem “gringos” e crianças suíças que foram recusadas nas escolas normais. Veja bem, isso não é em termos absolutos. É que as escolas públicas normalmente são melhores ou pelo menos, tão boa quanto as particulares. Mas, é claro que isso difere de país para país.

Na Europa é também mais comum ver pessoas “importantes” lavando roupa, louça, varrendo o jardim e vida que segue. A maioria da população pode ter um carro, mas tem a opção de não querer, porque o transporte público é tão bom e o estacionamento, garagem, manutenção e taxas com o veículo, algumas vezes não valem a pena.

Por isso, no intuito de terem as mesmas oportunidades e a palavra meritocracia fazer mais sentido, muitas pessoas preferem a vida na Europa do que no Brasil.

E você? Prefere a Europa ou o Brasil? Conta para a gente aqui nos comentários. Afinal, cada um sabe onde seu calo aperta.

Até o próximo post!

KS.

 

 

Publicado em Cultura, Viagem

5 Coisas Que São Melhores no Brasil

5 Coisas Que São Melhores no Brasil

Convenhamos que o brasileiro tem uma paixão pela palavra “importado”. Tudo que é de fora do país para nós é sinônimo de qualidade.  Mas, o Brasil tem coisas incríveis também, só precisa valorizar mais isso. Por isso, hoje vou destacar 5 coisas que são melhores no Brasil que em qualquer outro lugar do mundo.

Por do sol na prais

Tudo Junto e Misturado

Crescemos em uma cultura de quem ostenta mais fica por cima. E isso, é claro, é consequência da desigualdade social, mas não ela sozinha. A nossa cultura, muitas vezes, força essa situação. Quando falamos de moda de luxo e arte então, vemos pessoas venderem a própria casa por uma bolsa da Louis Vuitton ou um carro do ano.

Tive a oportunidade de visitar países com desigualdade social superior a do Brasil. Em um deles o Myanmar, ficava chocada com a opulência dos templos budistas, muitas vezes repletos de ouro maciço e imediatamente ao sair nas ruas me deparava com uma pobreza absurda.

Pobreza essa que em dado momento me fez perguntar ao meu guia se deveria ter medo de andar sozinha pelas ruas. Ele me disse que sim, que não me aconselhava a andar por aí sozinha após as onze horas da noite.

Eu disse que não planejava sair sozinha tão tarde, mas ainda fui mais longe. Perguntei o porquê? Será que seria assaltada, atacada?

Maior foi a minha surpresa quando ele me disse que não, que o risco eram os cachorros nas ruas que se me vissem sozinha eu me tornaria sua presa e talvez até sua refeição.

E realmente nunca senti medo de ser assaltada nas ruas desses países desiguais, porque as pessoas não querem roubar o que você tem. Elas pedem, insistem para vender alguma bugiganga até cansar.

Mas não vão te roubar, com raras exceções. Porque nesses países eles acreditam no KARMA, eles acreditam que o que você faz você paga. E que tudo já está determinado.

Sendo assim, roubar seria crime grave, não só pelas leis desses paises, mas também pelas leis do pós vida.

Leia mais sobre o Myanmar nesse post Yangon – A Nova Iorque do Myanmar!

Quis contar isso para vocês para lembrar que apesar de roubos, furtos e assaltos no Brasil serem coisa comum, vejo que é muito pelo fato de alguém querer o que é do outro.

E nessa história não tem nada de Robin Hood não. Os mais afetados pelos roubos cotidianos são os igualmente pobres, porém trabalhadores que ralam o mês inteiro para pagar a parcela do celular que tanto almejaram, ou do tênis que viram na vitrine e finalmente puderam comprar no crediário ou à vista após terem economizado sabe-se lá quanto tempo.

Hoje em dia quando estou no Brasil, garanto que não estou usando uma bijouteria mais chamativa se tenho que andar de ônibus ou nas ruas. Meu celular é devidamente escondido em algum lugar menos óbvio, o que não é garantia de que voltarei para casa com ele.

Meus olhos passeiam cansativamente entre todos que me cercam de maneira automática. A insegurança tão conhecida dos brasileiros, nunca vai embora. E se ousamos nos destrair, lembramos muitas vezes tarde demais, que o bandido não vacila.

Está sempre só esperando a próxima vítima “dormir no ponto”. Às vezes literamente, de tão cansado do trabalho.

Mas, se você pensa que eu vim falar mal do Brasil nesse post está enganado. Hoje eu vim destacar 5 qualidades que o Brasil tem para acabar com essa visão romantizada de que tudo fora dele é melhor.

1. A Comida

De longe o Brasil tem uma culinária extraordinária. Em parte pela contribuição massiva dos povos colonizadores. Desde os italianos com sua massas e pizzas divinas, até os japoneses com seus sushis magistrais.

Daí para a culinária alemã, holandesa, ucraniana, africana, portuguesa e tantas outras que acabaram se estabelecendo no Brasil, é um pulo. Incrementamos à moda brasileira e voilá! Temos uma culinária riquíssima.

A minha comida favorita é o Pineapple Fried Rice, mais precisamente o do Camboja. Nunca comi nada igual, e olha que comi várias vezes e em lugares diferentes. Nem na Tailândia, que é a detentora dos “direitos autorais” do prato, eu comi um melhor.

Mas, aí é só um prato específico. Culinária para mim é todo um conjunto. Neste caso, para o meu paladar não há nada melhor do que a comida mineira. Ah! Deu até água na boca!

Essa diversidade dispersa em um território de dimensões continentais, faz com que haja comida para todos os paladares.

Na Suíça, por exemplo, eles não tem churrascarias fartas de todo o tipo de carne como no Brasil. Um dos motivos é o preço da carne que é absurdo, até para os bolsos suíços. Aqui eles não comem carne com a frequência que comemos no Brasil.

Outro motivo é que eles precisariam aprimorar as técnicas de Chef Churrasqueiro. Não é para qualquer um fazer um churrasco, mas como no Brasil é churrasco em qualquer oportunidade, geralmente na família temos um churrasqueiro de mão cheia.

Comida Brasil carne
Churrasco Como no Brasil Não Há

Quando cheguei na Suíça a primeira vez e fui me certificar do custo de uma porção de carne, cheguei a dizer que era balela, vi que não era tão absurdo assim. Foi quando constatei que o preço que estava viualizando era de somente cem gramas.

2. O Clima

As mesmas dimensões continentais que possibilitam a variedade culinária que herdamos, nos agracia com uma diversidade climática como em quase nenhum outro país no mundo.

Em Curitiba, particularmente, somos tão, mas tão agraciados, que normalmente temos as quatro estações em um mesmo dia.

Curitiba Sol e Chuva

Deixando esses detalhes de lado, nosso país é tão grande que às vezes, em pleno inverno, onde no Sul estamos beirando à temperaturas abaixo de zero, continuamos com um belo verão no norte, nordeste e centro-oeste.

Veja bem, esses termos não são exatos porque já morri de frio em Brasília com um vento cortante e em Cuiabá já vivi temperaturas amenas, ainda que haja quem não acredite. Porque lá, via de regra é um caldeirão o tempo todo. Não é à toa que é carinhosamente apelidada de”Cuiabrasa”.

E neste ano o verão de Curitiba resolveu aparecer enquanto passava um tempo com a minha família. Sério, não se conseguia dormir de jeito nenhum. O pessoal que mora acima da região Sul, SEMPRE reclama do frio de Curitiba. Ele deve ter tirado férias também enquanto estava lá.

Mas, eu amo o frio. E apesar de achar a neve engraçadinha, é uma das coisas que não curto muito não. Prefiro curtir o frio, o que, tirando o detalhe da neve, que só causa transtornos, além de me dar fotos lindas (confesso vai), a Suíça me proporciona “de kilo”. Ainda assim, meu lugar favorito no mundo é minha cidade natal, Curitiba, junto com minha família e amigos.

Espero continuar a tradição de conseguir passar toda a virada de ano com minha família e meus amigos na nossa igreja de infância.

Girassol sol

E quando falo de clima brasileiro não é só o clima das estações a que me refiro. O clima de relacionamento entre os brasileiros é leve. Na Suíça se você abraça alguém quando deveria ter dado um beijo no rosto, pode criar uma situação contrangedora e que vai gerar muito “mimimi”.

No Brasil, em casos muito específicos poderia causar um desconforto, mas nada grave. Eu nunca abraçaria um chefe ou um estranho. Mas, se fosse uma data especial não teria problemas de dar uns tapinhas nas costas.

Agora para não falhar, fico com o aperto de mão e guardo os abraços só para a família e os amigos mais chegados.

3. As Praias

Conheci praias belíssimas mundo afora e não estou abrindo uma competição sobre a mais bela. A questão é que metade do território brasileiro é banhado pelo oceano Atlântico, isto é, o Brasil tem praias de norte a sul sem descanso.

Praias de todos os tipos: lotadas, tranquilas, paradisíacas, badaladas, urbanas, desertas, glamourosas, rústicas. Todos os gostos podem ser supridos nas praias brasileiras, já que elas são as mais democráticas do mundo.

Quando você vai à praia no Brasil você encontra gente rica, gente pobre, gente idosa, gente jovem, além de gringos vindos de todos os cantos. Nosso país tem essa fama de ser todo misturado, e quer saber? Essa é uma das coisas que mais valorizo nele.

Voleibol na Praia
As Pessoas Podem Passar o Dia Todo na Praia no Brasil

Posso ter longas conversas com o porteiro do prédio da minha mãe, ou conversar em uma livraria com um escritor de gabarito e tá tudo certo. Claro, que sabemos que muitos lugares só o dinheiro vai te permitir entrar, por isso, cito as praias como um dos grandes patrimônios do Brasil.

4. As Mulheres Mais Belas do Mundo São Brasileiras

Isso não sou só eu que estou dizendo. Para onde quer que eu vá é o que escuto. E não é só a beleza em si. É o charme. É claro que temos mulheres para lá de vulgares e outras sem noção.

Mas, via de regra, a mulher brasileira sabe como se vestir para ocasiões especiais, assim como sabe usar a camiseta branca com jeans como nenhuma outra no mundo e ainda ser linda.

Gisele Bundchen Desfile Colcci
A Poderosa Brasileira Gisele Bündchen desfilando para a Colcci

A mulher brasileira, além de linda, é forte e guerreira. Cria os filhos, muitas vezes, sozinha, trabalha fora para prover o sustento do lar e em alguns casos ainda encontra tempo para se divertir.

5. Vegetais Com Gosto de Vegetais

Neste caso, minha referência é a Suíça. Como vivo aqui, essa é uma das coisas que mais sinto falta. Normalmente no mercado os vegetais vem misturados em um saco plástico. Tudo bem que é sem agrotóxicos, mas parece que estou comendo papel.

Ainda que quando você chegue em mercados maiores e se depare com vegetais e frutas dignos de comercial de televisão, o gosto sempre me desaponta. Por isso, salada por aqui vem sempre acompanhada de muito molho e apetrechos. Deve ser para dar algum gosto. 🙂

Me lembro da minha infância quando minha avó colhia maracujá, morangos, uvas, mangas, alfaces, tomates e todos os tipos de tempero direto do quintal dela e fazia tudo na hora.

Caramba, não tinha coisa e nem gosto melhor. E apesar de ela nunca ter gostado de cozinhar (herança de família) ela era uma cozinheira de mão cheia.

Até hoje só minha mãe para fazer melhor que ela. Mas, que ironia, ela também odeia cozinhar.

vegetais frescos

Acho que esse post foi bem nostálgico. Não tem como não pensar em Brasil e não sentir falta de um montão de coisas, além dos entes queridos. Mas, acho mesmo que citei essas coisas porque vieram de imediato na minha cabeça.

Todos sabemos que o Brasil tem coisas incríveis que jamais caberiam em qualquer lista.

Se você sabe de algo que é único no Brasil, não deixe de comentar. Tipo, você sabia que junto com os EUA e a Suécia, temos os melhores dentistas do mundo? Nosso Brasil tem mil problemas para serem solucionados, mas ainda assim é um país incrível.

Já ouvi gente dizendo que o problema do Brasil é o brasileiro. Prefiro dizer que “a beleza do Brasil é o brasileiro”.

Até o próximo post!

KS.

Publicado em Cultura, Viagem

Cinquenta Tons de Suíça

Cinquenta Tons de Suíça

A Suíça é toda diferentona, não tenha dúvidas. Como moro aqui, está mais do que na hora de falar das minhas impressões sobre ela. Um lugar singular com muitos plurais, abrindo em uma palheta de muito mais de cinquenta tons de muita cultura e diversidade, figurando o topo de muitas listas de excelência ao redor do mundo.

Certamente um dos melhores lugares do globo para se viver, o melhor chocolate, o melhor relógio, o mais tradicional canivete, as vaquinhas felizes, o único país do mundo que tem a bandeira quadrada, além do Vaticano, que é uma cidade-estado.

O país tem QUATRO idiomas oficiais totalmente distintos. Alemão, Italiano, Francês e Romanche. Tudo isso a torna única, mas, com bem mais do que cinquenta tons de Suíça.

Veja mais curiosidades sobre o país no post 20 Coisas Incríveis Sobre a Suíça.

switzerland flag

Uma das coisas que mais me chamou a atenção no tempo que estou na Suíça, é como toda essa mistura de culturas, idiomas e modos, em um território geográfico tão pequeno, permite aos suíços serem preconceituosos.

Dito isto, queria esclarecer que a grande maioria do povo suíço é muito educada e discreta, mas alguns detalhes nos fazem perceber o nariz torcendo na presença de um diferente.

Se você acha que é só com os “gringos” que os suíços tem preconceito, se enganou. Eles rivalizam entre eles mesmos. Se você é de um cantão diferente do dele, ele vai comentar com alguém próximo sobre os hábitos e maneiras do outro cantão que não o agradam.

Isso merece uma discussão maior e pretendo falar sobre isso com mais calma em outro artigo para não correr o risco de ser mal interpretada.

Mas, recebi inúmeros avisos e tudo que eu lia sobre a Suíça antes de vir era de que se eu não falasse a língua do cantão em que estivesse não iam nem me responder. Uiiii!

Não digo que essas pessoas estavam exagerando, pois sei de histórias de pessoas próximas capazes de fazer cair todos os cabelos.

Porém, neste ponto preciso ser muito franca. Sei que em algumas regiões da Suíça as pessoas são mais conservadoras e talvez se eu estivesse em meu país, teria ou não a mesma atitude que elas.

Não posso julgar sem saber e sem viver de fato a situação. No entanto, o que vi, no começo, quando eu cheguei e fui morar na capital Berna, era que eu podia me expressar em inglês na grande maioria dos lugares e que se eles não falassem inglês chamariam alguém que falasse.

Portanto, a minha impressão foi sempre a melhor possível no quesito cordialidade e tratamento em geral. O que não quer dizer que me tornei amiga de dezenas de suíços no primeiro mês morando aqui.

Até porque, eu sou também bastante reservada e não faço amizade fácil como boa curitibana que sou. Mas, como os suíços, grande parte das amizades que faço são para a vida toda.

O que não impede ninguém de ter conversas longas e produtivas com estranhos, é claro. A diferença é que você não vai convidar essa pessoa para tomar um café na sua casa, nem muito menos para um almoço ou jantar.

Isso é uma das coisas que me agrada no país, preservar a privacidade. Mas, para os suíços a privacidade tem um significado um tanto diferente do que para nós brasileiros. Não digo em geral, porque já viajei para lugares no Brasil em que as pessoas perguntavam até a cor da minha roupa íntima. Só por Deus!

Na Suíça já vi gente perguntando quanto o outro recebia de salário. Apesar da reação do outro ser de surpresa, me fazendo entender que isso não é comum e nem aceitável por aqui, aconteceu.

Então não tem como generalizar. Tantos tons de Suíça não permitem estabelecer um padrão do povo suíço, apesar de alguns costumes peculiares.

Leia também 5 Comidas Típicas da Suíça.

Enquanto a Suíça tem tantos tons de cinza para onde se olha, ela é multicolorida de todas as etnias possíveis. São tantos saberes e não saberes, que promovem uma capacidade incrível de crescimento para quem tem a cabeça aberta e disposta a aprender sobre o que é o outro.

Essa coisa de “aqui nós fazemos assim” não funciona. Quem são esses “nós” em questão? Não tem como prever. A população é heterogênea por demais e com uma quantidade enorme de influência de culturas externas que coabitam diariamente.

Só nos cabe desatar esses “nós”, respeitando o outro e sua maneira de pensar e agir. Assim, apesar de não garantir que imprevistos ocorrerão, a convivência se tornará muito mais fácil e prazerosa.

Linguagem

Deixando essas questões culturais mais pesadas, a Suíça surpreende principalmente na questão dos idiomas. Como falei antes, são quatro idiomas oficiais. Na “vida real” não é o alemão que nós aprendemos da Alemanha que é falado entre eles, mas, sim o suíço-alemão. O que para os nativos de algum país que fale alemão, tem suas diferenças, mas conseguem se comunicar.

quatro idiomas oficiais

E para quem não domina nem o Alemão ainda? Pelo amor de Deus! Parece uma língua alienígena. Estava eu voltando da aula de alemão um certo dia, e meu vizinho me disse “Abend“.

Na verdade, ele estava, de uma forma abreviada, me dando boa noite – “Guten Abend” – Que como no inglês tem Good Evening e Good Night, eles usam Guten Abend e Gute Nacht. Mas, até eu associar o que ele estava dizendo com a abreviação soltei um Good Evening, sim, em inglês mesmo.

Isso, quando uma senhorinha que mora no meu andar veio até mim sorridente e falando em suíço-alemão algo que parecia umas boas-vindas. Eu só consegui responder, Grüizi, Vielen Dank! Aliás, algumas das únicas palavras que eu domino em suíço-alemão são porque tem alguma relação com o português e o inglês.

Tchau você pode usar sempre, tanto para oi como para tchau mesmo, porque é italiano e na verdade é “Ciao”. Com o “c” com som de “t”.

Sory (com um ‘r’ só), que como sorry em inglês, também quer dizer “Me desculpe”. Adieu, emprestado do francês, quer dizer adeus como em português mesmo. Assim como o “merci” sem puxar o “r” do fundo da garganta e tendo o “mer” como sílaba tônica.

Hoi, é como o “oi” mesmo, mais informal. Sempre que alguém me dava oi assim eu perguntava para um conhecido em comum se essa pessoa era brasileira e nunca era.

Na Suíça, muita gente fala inglês. Não todos, como me afirmaram antes de ir, mas uma boa parcela. Então, quando o calo aperta no hochdeutsch (alemão padrão), você manda o inglês que você sobrevive. Eu pelo menos, me viro muito bem.

Cenários de Filme

Aqui na Suíça, para onde você olha, pode admirar paisagens dignas de cenário de filme, literalmente. James Bond que o diga! As paisagens ao redor do país são realmente magnânimas.

rhône gletscher

Você pisa para fora de casa e te garanto, se não for instantâneo, em alguns minutos de caminhada você terá uma vista incrível. Você se encanta a todo o momento, ainda que seja pelos cinquenta tons de cinza da Suíça.

Às vezes preciso conferir se a foto não está mesmo com filtro de tão monocromática que aparenta. As vestimentas das pessoas normalmente segue essa sequência descolorida também. Já fui muito alertada para cuidar com as cores, mas não me fixo muito nisso.

Afinal, não é porque vivo na Suíça que quero me parecer suíça. É claro que não apareço de neon nos lugares, mas uma corzinha de leve sempre pinta. 🙂

Apesar de cinza, durante a maior parte do ano, por conta da neve e do céu fechado, ela soma todas as cores no verão. E se torna de uma beleza tão incrível quanto e ainda assim surpreendente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Diante dessas paisagens de tirar o fôlego, grandes produções já aportaram por aqui em busca das paisagens bucólicas e estonteantes para a produção da melhor fotografia possível.

A lista de filmes de sucesso é grande e enche os olhos. Star Wars: Episódio III, foi gravado nas montanhas de Grindelwald. Alguns episódios do famoso e amado James Bond tiveram a Suíça como pano de fundo para suas aventuras. X-Men e Homem de Ferro 3 também fazem parte da lista.

Mas, sem dúvida nenhuma, foram as produções de Bollywood, a maior indústria de cinema indiana, que tornaram a Suíça tão atrativa para este público. Não é nada incomum ver ônibus de turistas indianos, aparcando nas redondezas dos lugares mais visitados da terra do Alpes.

Um dos motivos de Bollywood filmar em território suíço é que a Suíça, diferente de outras partes do mundo, não cobra pelo uso dos espaços públicos, incluindo aeroportos e estradas do país.

Já em áreas em que o acesso pode ser perigoso, como as montanhas, é necessário solicitar autorização, que normalmente sai em até quatro semanas, já que cada cantão tem suas próprias diretrizes, porém sem maiores complicações.

A Suíça é pequena em tamanho, mas é grande em todo o resto. Não me espanta Einstein ter escolhido o lugar para trabalhar a Teoria da Relatividade, uma das suas mais brilhantes contribuições para a humanidade.

Acredito que muitos outros tons ainda serão descobertos no meio do caminho. O que me encanta é a surpresa que cada um deles me causa. Vivendo e aprendendo!

Já visitou a Suíça? Sonha em visitar? Comente aqui e nos conte o que você sabe sobre esse país tão imponente.

Até a próxima viagem!

KS.

 

 

 

 

Publicado em Cultura, Curiosidades, Viagem

20 Coisas Incríveis Sobre a Suíça

20 Coisas Incríveis Sobre a Suíça

A Suíça é sinônimo de chocolates deliciosos, queijos furados, relógios precisos, e montanhas de neve perfeitas para esquiar. Esse país tão incrível sempre pode surpreender ainda mais. Hoje vou te contar 20 coisas sobre esse país que me deixaram de queixo caído quando descobri. O que só me faz ficar mais impressionada com o lugar que escolhi para viver.

IMG_3999
Suíça

1. A Suíça Tem QUATRO Idiomas Nacionais

Alemão, Francês, Italiano e Romanche em ordem de importância. Essa é a sequência dos idiomas mais falados, sem contar que nas ruas o que se fala é o suíço-alemão, que é um dialeto. Mas, não se engane, em cada região o idioma é falado de uma forma um pouco diferente. Tudo é muito específico quando se trata de idiomas na Suíça. Não se assuste, não é difícil achar quem domine o inglês ao menos em um nível intermediário.

2. A Suíça Foi Cenário do 007

A Suíça tem a maior ponte de madeira do mundo em Lucerna. Tem a Montanha Pilatus (esse mesmo que crucificou Jesus), que leva esse nome, pois, diz a lenda, que ele foi parar por lá após toda a história com Jesus. Aliás, essa montanha é a minha queridinha.

Mas, quem é o Pilatus na fila do pão, quando James Bond tem sua própria montanha? O nome dela é Schilthorn, mas se disser a Montanha do James Bond todo mundo conhece.

schilthorn

Bem no meio dos Alpes Suíços ela foi cenário do filme 007 – A Serviço Secreto de Sua Majestade, com George Lazenby no papel de James Bond em 1969. A única vez em que ele interpretou o personagem, voltando o papel em seguida para Sean Connery. Desde então o lugar virou atração.

3. País Neutro e Paraíso Fiscal

A Suíça é considerada um país neutro. Desde 1815 ela não se envolve em nenhuma guerra ou toma lado definido nelas. As contas bancárias também não podem ser acessadas pelo nome do titular. Elas recebem um número único, sendo assim, o sigilo é garantido. Apesar de as leis terem mudado recentemente ela é ainda considerada um paraíso fiscal.

4. A Suíça é Repleta de Abrigos Nucleares

bunker
Bunker “disfarçado” na Suíça

Todos já sabemos que a Suíça é um país neutro, e não se envolve em guerras desde 1815. Mas, se caso a Suíça, só bem por acaso, entrasse em uma guerra hoje, todos os seus moradores teriam um lugar cativo em um dos mais de 30 mil bunkers (abrigos anti-bomba) espalhados por todo o país. Isso garantiria a subsistência da população de todo o país por, aproximadamente, um ano.

5. O Suicídio é Permitido na Suíça

Quando o assunto é suicídio, a Suíça também entra na top list. Como explicar que um dos melhores países do mundo para se viver tenha índices de suicídio tão altos. Deve ser realmente muito difícil para pessoas com problemas de auto-estima verem outras tão felizes, criando assim esse paradoxo. Pessoas de outras partes do mundo também vêm até a Suíça para morrer, com o chamado suicídio assistido que no país é permitido por lei desde 1942.

Veja essa artigo da Swissinfo.ch

6. A Suíça Tem a Melhor Água “Torneiral” do Planeta

A água que você bebe da torneira na Suíça vem dos glacier, geleiras milenares. Então, é certamente a água mais pura do mundo. O único “porém” é o fato de possuir um alto teor de calcário, o que dizem que faz o cabelo cair.

pan-xiaozhen-543981-unsplash

Por isso, muita gente tem usado filtro no chuveiro, não sei bem como funciona. Para mim fez muito bem às minhas madeixas. Se não tomo banho muito quente, fica tudo certo.

Além da água da torneira ser essa maravilha, aonde quer que você vá, vai encontrar bebedouros que mais parecem fontes. Se joga! É super seguro e recomendável beber dessa água e aproveitar para encher as garrafinhas.

7. A Suíça Não Faz Parte da União Europeia

Apesar de ser signatária do acordo do Espaço Schengen que acabou com o controle de passaportes entre os países que aderiram a ele, a Suíça não faz parte da União Europeia (UE). E ela só se tornou parte das Nações Unidas em 2002.

O motivo é que a Suíça neutra não combina com um bloco político do tipo que é a UE. Por isso, a Suíça decidiu não fazer parte da aliança, mas tem seguido a maior parte das recomendações do bloco europeu.

Lembrando que todas essas decisões são feitas através de referendos e consultas populares. Já que a Suíça é uma das únicas democracias diretas do mundo, tendo o povo grande poder de decisão junto ao parlamento.

8. O Nome da Suíça NÃO é Suíça

Confederação Helvética. Sim, esse é o nome oficial da Suíça. Por isso os sites suíços terminam com CH como o Brasil termina com BR. O curioso aqui é que até alguns suíços mais desavisados, às vezes, não sabem disso.

9. A Capital da Suíça NÃO é Zurique

A Suíça é uma República Federativa e, coincidentemente, como o Brasil também possui 26 estados, mas, não tem Distrito Federal. E Zurique está para a Suíça assim como São Paulo está para o Brasil. Sendo o centro financeiro e a maior cidade do país, mas não a capital. Berna, a cidade dos ursos, é a Capital Política do país. Sim, os ursos existem e ficam soltos, porém, em uma área restrita ao contato direto do público.

bern

10. O Refrigerante Mais Famoso da Suíça NÃO é Bem Um Refrigerante

Rivella. Este é o nome do “refrigerante” suíço, feito a base do soro de leite. Mas, eu te garanto que gosto de leite não tem nenhum. Eu não curti muito no começo, mas hoje é só o que tomo na rua. Assim, de quebra, evito o refrigerante que já não tomo mesmo e gasto menos, já que um suco de qualquer coisa na Suíça é mais caro. Você tem sabores para escolher por cor. Tem, verde, vermelha, azul. A minha preferida é a rot (vermelha).

 

11. A Bandeira Suíça é Quadrada

Desde 1848 as medidas oficiais da bandeira Suíça são de 1.1. Isto é, ela é quadrada. Toda em vermelho com uma cruz grega branca no centro, onde cada braço é 1/6 maior que a sua largura. Além dela, somente a bandeira do Vaticano (que é uma cidade-estado) tem medidas 1.1. O inverso das cores da bandeira da Suíça formam a bandeira do Comitê Internacional da Cruz Vermelha fundado na Suíça em 1863 na cidade de Genebra. O seu criador Jean-Henri Dunant foi a primeira pessoa no mundo a levar o Nobel da Paz em 1901.

bandeira da suíça

12. A Suíça é Menor Que São Paulo

A Suíça possui uma população de 8 milhões de habitantes, enquanto somente a cidade de São Paulo sem contar a região metropolitana já tem mais de 12 milhões. Mas, para ilustrar melhor, preciso dizer que a Suíça toda é um pouco menor que o estado do Rio de Janeiro, sem contar com o fato de que 70% de seu território é basicamente composto por montanhas e mais belas montanhas. E tudo isso fazendo fronteira com a Alemanha, a França, a Itália, a Áustria e Liechtenstein. Por aí você já entende um pouquinho o porquê de quatro idiomas tão distintos. É só olhar para as fronteiras com os países que a Suíça tem divisa.

montanhas da suíça

13. Porquinho da Índia de Estimação? Só Se Forem Dois

Após um estudo ter demonstrado que esses bichinhos sofrem muito com a solidão, só é possível ter os porquinhos da Índia na Suíça aos pares. Isso vale para outros animaizinhos também que precisam de companhia, como o papagaio, a cacatua e etc.

porquinho da Índia

14. Negar O Holocausto é Crime

Na verdade é uma norma penal antirracista votada pelos próprios suíços que entrou em vigor em janeiro de 1995. Então, qualquer violência verbal, propaganda antissemita, a negação do genocídio armênio de 1915, preconceito contra estrangeiros e religiões em geral entram nessa norma. Negar o holocausto pode ter consequências graves para o seu bolso. Normalmente a pena é uma multa bem salgada.

15. Na Suíça Não Tem SUS

Sistema de Saúde Pública não existe na Suíça, isto é, todo mundo que reside na Suíça precisa obrigatoriamente ter um plano de saúde privado. É claro, que se você não tiver dinheiro para pagar, já que não são nenhum pouco baratos o Governo Suíço entra em ação e te subsidia.

16. O País das Sedes

A Suíça é sede da Organização Mundial do Comércio (OMC), da Cruz Vermelha Internacional, da Federação Internacional de Futebol – FIFA e do Fórum Econômico Mundial

17. A Nestlé é Suíça

Uma das maiores empresas de alimentos do mundo, a nossa amada empresa de chocolates Nestlé, que tem fábricas espalhadas por todo o Brasil é genuinamente suíça. Sua matriz fica na cidade de Vevey, no cantão de Vaud.

nestlé

18. Dia de Sol é Sagrado

O Chamado Heat Free é como um “direito” não-oficial dos cidadãos de não irem ao trabalho ou de “cabularem” a aula em dias quentes no alto inverno. Como na maior parte do ano a Suíça está nublada e muitas vezes com temperaturas congelantes, os dias de sol são reverenciados no país.

Heat Free.jpg

Se estiver fazendo um dia lindo lá fora e você quiser tirar o dia para aproveitar, não haverá nenhuma desaprovação por parte dos seus superiores. Como um funcionário feliz e saudável é um funcionário que gera menos despesas, você só vai precisar encontrar uma forma de repor esse dia sem dar muitas explicações. O mesmo para os estudantes que necessitam tanto da vitamina D para evitar os altos índices de depressão no país.

19. A Suíça Tem Mais Armas Que o Iraque

rifles

Apesar de ter quase metade da população armada o índice de mortes por armas de fogo é um dos menores do mundo. A Suíça sempre aparece como um dos países com as menores taxas de criminalidade de todo planeta. A maioria das casas é equipada com pelo menos um rifle, para melhor resposta em caso de guerra. E todos os homens que serviram ao exército são obrigados a se reciclar uma vez por ano nas aulas de tiro.

20. É O Melhor País do Mundo Para Nascer

Em uma pesquisa realizada pela The Economist Intelligence Unit’s a Suíça é o melhor lugar para nascer e com melhores chances de a criança se dar bem no futuro. O estudo levou fatores de qualidade de vida em consideração, como expectativa de vida, mortalidade infantil, liberdade política, corrupção, igualdade de gênero, taxas de divórcio, de desemprego e de homicídios.

bebê nascido suíça

Austrália e Noruega vem na sequência enquanto o Brasil está em 37º lugar. Em 2018, de acordo com o Ranking da U.S. New & World Report a Suíça ficou no topo também como o melhor país para se viver. O que não é nenhuma novidade, pois a Suíça sempre encabeça esse tipo de lista.

Bônus: O Cinema Tem Intervalo

Tem quem goste e tem quem odeie. No Brasil alguns cinemas fazem isso, raros, mas existem. E são raros justamente por não fazerem muito sucesso no Brasil. Imagina o intervalo bem no clímax do filme?

Eu acho o máximo. Pensa você super apertado para ir no banheiro e ter que perder, que sejam, 15 minutos do filme. Eles podem ser cruciais. Então é exatamente esse o tempo de intervalo na Suíça. Em 15 minutos você corre no banheiro, se precisar, e já repõe o refrigerante ou a pipoca. 🙂

img_2975

E aí, já sabia de todas essas curiosidades? Sabe de mais alguma que não está na lista? Conta aqui para a gente! A Suíça é realmente fascinante e eu não me canso de ser surpreendida.

Leia também 5 Comidas Típicas da Suíça

Acesse mais notícias sobre a Suíça em Swissinfo.ch

Tenho certeza que você não vai se decepcionar se puder um dia conhecer esse país.

Até o próximo post.

Tschüss!

KS.

Publicado em Cultura

Choque Cultural – As 4 Fases Que Você Deve Vencer

Choque Cultural – As 4 Fases Que Você Deve Vencer

Você já escutou essa expressão “Choque Cultural”? Então, vou tentar te explicar de uma forma bem didática e depois vou me aprofundar para você entender melhor o termo e, o mais importante, o sentimento em si.

Quando você ouve essa palavra você pensa em algo muito chocante e extremamente diferente de tudo o que você já viu. Mas não é só isso não.

choque cultural

O Choque Cultural, na verdade, nada mais é do que a estranheza, o desconforto, causados por qualquer situação à qual você se vê obrigado a enfrentar, quando viaja para um local com uma cultura diferente da qual você foi criado e está acostumado e confortável com ela.

Eu senti choque cultural em todos os países pelos quais viajei, mas pasmem, em alguns países, senti menos o choque do que em outros estados do próprio Brasil.

Calma, eu te explico. Por exemplo, quando você vai para outro país, ainda que o idioma seja o português, você vai sentir esse desconforto quando não entender alguma palavra ou, por vezes, a sentença inteira em uma conversa qualquer. Pior ainda se não souber falar o idioma local.

É certo que, ainda que o país fale português, como é o caso de Portugal, muitas coisas se perdem em uma conversa ou precisam ser bem explicadas, causando às vezes até desavenças entre interlocutores menos tolerantes.

Vai chamar alguém de “rapariga” aqui no Brasil ao se dirigir à alguém mais velho para você ver. Com exceção de algumas poucas regiões onde ainda se usa o termo, a palavra pode soar bem pesada e até ofensiva. O próprio dicionário é obrigado a trazer significados completamente opostos à palavra por causa do choque cultural entre as regiões do Brasil.

Já em Portugal, a palavra se refere a menina, moça do campo, etc. Da mesma forma em Curitiba, minha terra natal, a gente chama todas as “raparigas” de “guria” e os meninos de “piá”, o que não é muito bem visto em alguns outros locais do Brasil. Mas, para nós é super comum. Essas questões regionais, também são consideradas choque cultural.

É Macaxeira, Mandioca ou Aipim?

O Brasil tem como o idioma oficial o Português-Brasileiro. Sempre quando eu me identificava como falante do idioma português em outras culturas, algumas pessoas me perguntavam se era Português-Europeu ou Português-Brasileiro.

Quando eu me apresentava como brasileira eles sempre pediam para eu falar algo em português. O português-brasileiro é considerado um idioma bem agradável aos ouvidos estrangeiros.

Mas, o que a maioria das pessoas não sabem, é que  dentro do próprio Brasil, temos dezenas de outras línguas.

Quem dentro do próprio Brasil não ouviu alguma palavra diferente que se referia à mesma coisa, mas que você não tinha ideia do que queria dizer? Afinal, é macaxeira, mandioca ou aipim? A resposta é: todas estão corretas. É tudo a mesma coisa com nome diferente. Tipo, mimosa, mexerica, tangerina, tanto faz. Como dizia Louis Armstrong: “Potato, potahto. Tomato, tomahto

Lembro de uma querida amiga potiguar com o sotaque bem característico da cidade de Natal no Rio Grande do Norte, que sempre despertava muitas risadas por seu acento assim que chegou em Curitiba e que dizia que estávamos “mangando” dela.

Demorei algumas semanas para ter coragem de perguntar o que aquilo queria dizer até descobrir que queria dizer que estávamos “tirando sarro” dela.

Os Quatro Estágios do Choque Cultural

Parece bobeira, mas o negócio é tão sério que é há muito tempo estudado a fundo por cientistas da área. Mary Ann Santoro Bellini, Ph.D. no assunto, é especialista em aconselhar pessoas que deixam seus países para viver, trabalhar ou morar fora.

Em suas publicações, Mary Ann fala sobre os Quatro Estágios do Choque Cultural. Você pode ler o artigo original em inglês “The Four Stages of Culture Shock“, mas eu vou colocar aqui os pontos que eu acho bem relevantes para quem vai somente viajar por períodos mais curtos.

Período de Lua de Mel

Esse período é aquele inicial quando você chega no país e é tudo novidade. Para Mary Ann isso pode durar semanas. Você tem fascínio por tudo. As casas, as roupas, as ruas, são impressionantes (para o bem ou para o mal), tudo é estranhamente encantador, e você precisa se beliscar para não deixar se seduzir pela música como uma cobra se encantado pelo som da flauta.

Afinal, o que está por trás desse conto de fadas pode ser perigoso. Para mim, tudo durava algumas horas e eu já caía na real sobre o que me esperava. Era hora de enfrentar a segunda fase.

Rejeição

A segunda fase da Síndrome do Choque Cultural, é a de rejeição, que Mary descreve como cheia de crítica, ressentimento e raiva. Para mim durava alguns minutos. Vejam que me refiro a quando viajava a lazer, turismo. Quando fui morar fora, as fases vieram na íntegra, como ela descreve originalmente.

Nesta fase todas as dificuldades geram a frustração. A idiossincrasia do local visitado te deixa confuso e muitas vezes, você se pergunta como deve agir e não obtém uma resposta coerente de nenhum lado. O que te leva a terceira fase.

Regressão e Isolamento

Depois de tantas sensações, essa fase é a que eu manjo melhor, mesmo na minha vida cotidiana. Algo que ainda preciso trabalhar muito. Tudo que me desaponta e frustra, faz com que eu me feche como uma concha.

Nessa fase, é impossível não comparar tudo com a terra natal. É quando você passa a entender e a valorizar seu próprio lugar de origem. Acho que é daí que vem a expressão: “Não há nada melhor do que a casa da gente”. Você passa a odiar tudo e todos.

danger choque cultural

Na fase original de Mary Ann, ela dura entre 6 e 8 semanas. Comigo, alguns minutos, e aí chacoalho a cabeça, dou uma respirada fundo e sigo em frente. Lembrando que isso aconteceu depois de muito treino. 🙂 Finalmente a última chega, cedo ou tarde.

Ajuste e Adaptação

Para quem viaja muito essa fase tem que acontecer logo, ou você vai sofrer muito. Em menos de um ano, viajei para países que nunca imaginaria conhecer antes, e isso me fez entrar no modo ajuste rápido. Apesar de já ser mestre em choque cultural, tive que me forçar a absorver tudo mais rápido.

choque cultural carrinho bate bate

Quando o choque acontece com mais frequência isso se torna mais natural. Isto é, quanto mais diferente e estranha à você é a cultura, mais rápido você se adapta à próxima. Sabe aquela Lei do tal de Murphy, que diz que nada é tão ruim que não possa piorar? Vai piorar, acredite! Mas, você estando preparado, fica bem mais fácil, concorda?

Oriente – Meu Mundo Particular

Quando fui para a Ásia, tinha sempre que descalçar ao entrar em templos, casas, às vezes até em lojas, o que eu achava bem nojento. Pois, com exceção das casas, os lugares públicos por vezes não estavam muito limpos e eu tinha que pisar naquele lugar.

10 DICAS PARA VOCÊ QUE VAI VIAJAR PARA A ÁSIA!

Mas, para eles seria absurdamente ofensivo alguém entrar de sapatos nesses lugares. Eu, particularmente, não gosto que entrem de sapatos na minha casa, mas não forço visitas à descalçarem antes de entrar. Ainda assim, senti o choque.

Eu tive muita sorte de sentir esses efeitos de forma mais amena, mesmo quando resolvi me mudar para a Suíça. Dizem que nós curitibanos somos bem parecidos e ao me mudar, concordei em muitos aspectos.

Ambos somos reservados, demoramos para fazer amizade, mas quando fazemos é para a vida. Mas, isso é só um traço de uma cultura toda, e uma hora, o choque inevitavelmente bate forte. Mas, isso eu conto outra hora.

viajar faz bem

Nada mesmo te prepara para o choque de conhecer uma cultura fora do circuito Eurotrip, que muitos brasileiros acabam optando pela maior facilidade, já que a cultura é mais próxima, os preços são mais em conta (depende), a distância é menor e normalmente em todo lugar você se vira só com o inglês.

Bem que me disseram que ir para alguns países seria realmente uma aventura, e foi, e sempre será. Depois que você começa a viajar tanto, duvido que consiga parar. É quase uma fome louca pelo próximo país, pela próxima descoberta, pelo próximo choque.

Eu nunca me foquei na quantidade de países para contar para os outros o quanto sou viajada, vejo tanto gente preocupada em postar sua foto no Instagram em um lugar novo, afinal, ostentar é a palavra de ordem.

Mas, para mim é sobre abrir a cabeça e aprender tanta coisa nova em cada cultura. É legal dividir isso com os outros, mas pense em como é legal você sair desse circuito turístico e mergulhar no que a cultura local tem para te oferecer.

Eu gosto de bons hotéis sim, às vezes tenho preguiça de andar demais, especialmente se estiver quente, fico com nojo de algumas coisas. Mas, isso não me impede de tentar, de observar e de querer entender a outra cultura, de apreciar as sensações que ela causa em mim, mesmo que às vezes, sejam ruins.

É só inverter o papel. Tem tanta coisa que as pessoas dessa cultura acham esquisito e até repugnante na nossa cultura. Já parou para pensar nisso?

A única coisa à qual me considero absolutamente intolerante, é à falta de respeito. Se esse cenário aparece, me recolho e não consigo mais me abrir. Mas, preciso me lembrar o tempo todo, do que significa respeito para mim e para o outro. Existem as coisas óbvias, mas outras são paradoxais.

don't panic choque cultural

Por exemplo, tocar a cabeça de uma criança na maioria dos países asiáticos é uma ofensa enorme. Aqui no Brasil, isso é super normal. Mas por lá, a maioria é budista ou de religiões com uma crença similar.

Para essas pessoas a cabeça é a parte mais sagrada do corpo, então porque um estranho poderia tocá-la, ainda que com boas intenções!? Assim como tirar os sapatos é importante, sei que é desrespeitoso tocar a cabeça do outro.

Cabe a mim respeitar a cultura do outro e não à ele me ensinar, afinal eu sou a estranha, a, invasora, de certa forma. Por isso, sempre antes de visitar algum país me informo sobre coisas que devo saber o máximo possível, para não enfrentar nenhum tipo de constrangimento e diminuir ao máximo o choque cultural.

choque cultural wow

Os artigos que escrevo aqui no blog são exatamente com o intuito de ajudar você a não passar pelo que eu passei, ou pelo que eu deixei de passar por estudar sobre o lugar antes.

Cada vez que deixo minha hometown, vou preparada para voltar uma nova pessoa. E, confesso, sempre voltei diferente. E é tão incrível quando você enxerga o mundo de uma forma diferente, tão única, só você vê ele daquele jeito, porque só você sabe o que tem na sua bagagem. E isso faz com que você crie seu próprio mundo particular.

E você? Já passou por alguma situação inesperada e que causou um enorme choque? Conta aqui para a gente! É sempre bom aprender com a experiência dos outros e evitar transtornos, não é?!

Até o próximo post!

KS.

 

 

Publicado em Cultura, Dicas, Viagem

10 Curiosidades Sobre o Myanmar

10 Curiosidades Sobre o Myanmar

Em minha viagem pelo Myanmar certamente acabei descobrindo muitas surpresas e uma cultura muito diferente. Hoje eu conto 10 curiosidades sobre o país que está sendo desvendado pelo ocidente só nos últimos anos. Tenho certeza, você vai se encantar.

Myanmar Palacio Real
Entrada do Palácio Real em Mandalay – Myanmar

Para vocês terem noção de como é difícil falar desse país, não existe unanimidade nem mesmo no nome. O país mudou de nome algumas vezes e em 2010 se estabeleceu como República da União do Myanmar.

As Nações Unidas (ONU) e a União Europeia (UE), por exemplo, reconhecem a mudança, porém, Reino Unido e EUA, não. Para eles Birmânia (Burma) é o nome do país.

Nem o povo Birmanês/Myanmarense é unânime. Alguns grupos e etnias, que não reconhecem o governo, também não reconhecem a mudança de nome. Para o Brasil, Myanmar mesmo.

Um lugar outrora fechado para o mundo vivendo um regime militar que manteve a população sob rígido domínio e que de certa forma, ainda mantém, já que o país ainda está vivendo uma transição para uma democracia. Por isso, só recentemente abriu as portas para o turismo.

Leia também: Yangon – A Nova Iorque do Myanmar.

Mas, agora que você já sabe coisas bem interessantes sobre o país, vamos “piorar” e contar as 10 curiosidades que vão fazer você se surpreender ainda mais com esse lugar incrível.

1. Religião é Fator Determinante Para a Cidadania

Curiosidades Myanmar Religião
Bíblia Sagrada em inglês ao lado do Livro dos Ensinamentos de Buda (em inglês e birmanês)

Se você pretende viver no país, é bom que seja budista, viu?! Em um país onde por volta de 90% da população é budista imagine como é fazer parte dos 10% que não são. Isso quer dizer que 10% da população divide-se em todas as outras religiões.

Apesar de ter sinagoga, igreja católica e protestante, e do país garantir liberdade religiosa, na prática não é bem assim que funciona. Por exemplo, o islã é extremamente rechaçado no país e se você é muçulmano você é considerado imigrante ilegal.

Alguns myanmarenses me disseram “extraoficialmente” que se você não é budista não pode votar e também não pode prestar concurso público, pois jamais assumirá o cargo.

2. Moto Não é Para Pessoas Egoístas

Quem tem uma moto por lá, dessas tipo scooter, é considerado classe média. O que para mim não fazia o menor sentido, mas ter um carro significa que você está bem no topo da pirâmide social.

Então, o jeito é levar a família toda na moto. Capacete para no máximo um dos passageiros.

Moto pessoas Myanmar
As motos são normalmente compartolhdas por bem mais que uma pessoa

Essa foto para ser honesta é no Camboja, mas a cena se repete no Myanmar e em outros países asiáticos.

Além de ter frequentemente mais de quatro pessoas na moto, existe a possibilidade de você encontrar um cãozinho espremido no meio deles ou em algum suporte improvisado com um lenço. Se couber, sobe sempre mais um!

3. A Semana do Myanmar Tem Oito Dias

No Myanmar a semana tem oito dias. Na verdade não são exatamente oito dias inteiros, porque a quarta-feira é dividida em duas: na parte da manhã e da tarde é um dia e na parte da noite inicia-se outro dia. Os demais dias são iguais.

Para esse povo o número oito é muito importante. São oito animais no Zodíaco, oito pontos cardeias, oito dias da semana, que estão todos associados entre si. Nas pagodas as bases são dispostas a fim de permitir oito direções.

Cada uma contempla um dia da semana com seu respectivo altar e assim as pessoas podem lavar o seu respectivo Buda (uma forma de prestar reverência) correspondente ao dia da semana em que nasceu e ao animal desse dia. Fiz um diagrama para demonstrar a correspondência:

Curiosidades Myanmar Semana
Diagrama do dia da Semana de Nascimento, animal do Zodíaco e Ponto Cardeal

Para os budistas da Escola Teravada o dia da semana é muito importante para uma pessoa. Dependendo do dia em que nascer, será determinado como você vai se chamar e até com quem irá se casar. Mas, hoje em dia isso é menos rigoroso por lá.

Já para fins práticos para nós visitantes, isso não interfere em nada. Oficialmente conta o calendário normal. Mas, para eles cada um dos doze meses têm 28 dias, o ano é 1.377 e começa em abril.

4. Os Homens Usam Saias

Myanmar Curiosidades Homens de saia
No Myanmar os Homens usam uma saia chamada de “Longyi”

Não é saia o nome do que os homens usam no Myanmar, o nome correto é longhi ou longyi, mas não é porque tem outro nome que deixa de ser saia.

As mulheres também usam, a diferença é que os homens usam um longhi mais sóbrio, de cores escuras e com suaves quadriculados, enquanto as mulheres usam de várias cores e estampas.

5. A Nota de Dólar Precisa Estar Impecável

Nunca entendi muito bem a necessidade disso, mas se seu dólar estiver minimanente amassado, sujo ou riscado, é bom manter guardado na carteira.

Os comerciantes locais só aceitam notas que estejam impecáveis e até os ambulantes na rua preferem não vender do que aceitar uma cédula danificada. E, não adianta insistir, se o dólar não estiver novinho em folha, o valor das notas é reduzido a zero.

Myanmar Curiosidades Dollar

Então, se pretende ir as compras no Myanmar e pagar em cash, mantenha seus “dinheiros” intactos ou vai voltar para casa com os bolsos cheios, já que não vai conseguir gastar. Até que não é má ideia, não acha!?

6. Da Árvore Thanaka Vem a Pasta da Beleza

As pinturas que os myanmarenses usam no rosto não são meramente decorativas. Elas estão lá por um motivo muito mais importante.

A pasta resultante da mistura do pó de Thanaka com água tem propriedades benéficas para a pele, além de ser um excelente protetor solar.

myanmar-curiosidades thanaka
A Thanaka é usada por grande parte da população do Myanmar, especialmete mulheres e crianças.

Eu confesso que me rendi à Thanaka e usei a pasta no meu rosto durante algumas horas. O resultado foi uma pele mais fresca, o que foi uma das garantias que me fizeram quando aplicaram no meu rosto.

Pena que não tinha uma mudinha da árvore para levar comigo e assim poder plantar meu próprio “pé de beleza”.

7. O Paraíso das Pedras Preciosas

O Myanmar é detentor de 70% de toda a produção mundial de Jade, chamadas pelos chineses (seu maior importador) de “Pedras do Paraíso”, com uma coloração esverdeada muito bonita. Mas, outras pedras, como a safira e o rubi, são famosas nesse país.

É de lá que vem 90% dos rubis fornecidos para o resto do mundo. A cor mais desejada e que determina o valor final da pedra, é exatamente a cor desses rubis do Myanmar, chamada de “sangue de pombo”.

Perto de Mandalay, segunda maior cidade do Myanmar é possível visitar a “Ruby Land” em Mogok. Lá, além de comprar as pedras você pode aprender mais sobre elas.

8. Não Tem Condicionador e Nem Protetor Solar Para Comprar

Com a consagração absoluta da Thanaka como protetor solar eu até entendo a dificuldade de achar protetor solar para comprar, agora condicionador eu não entendo. Eu não encontrei em lugar nenhum,  nem mesmo nas grandes cidades. Em alguns hotéis locais também, nada.

Ainda bem que o condicionador sempre acaba depois do shampoo, pelo menos no meu caso. Caso contrário, não quero nem imaginar as condições que ficariam minhas madeixas, já que a longa estadia pela Ásia não fez muito bem para elas.

Não sei se é a água ou a diferença de clima, mas meus cabelos ficaram bem ressecados por lá. Imagina sem condicionador?!

Myanmar condicionador

O engraçado é que eu encontrei marcas famosas de shampoo com outros produtos da linha, como creme para pentear (que não uso) e outros tratamentos. Mas, condicionador? Nem pensar.

Eles nem sabiam o que era o tal pós-shampoo. Depois descobri que eu não fui a única a ter esse problema, outras pessoas que viajaram para lá também se depararam com a falta desses produtos.

9. Você Não Pode Andar Sozinho à Noite

Não é por causa de assalto ou esse tipo de coisa. A recomendação estrita do meu guia era de que eu evitasse a qualquer custo andar sozinha à noite pelas ruas de Mandalay, principalmente Yangon.

Ele disse, em tom natural, que era por causa do cães. Meio perdida, perguntei qual era o problema com eles? Foi então que ele disse que os cães por lá costumam atacar pessoas quando estão muito famintos, o que não é raro. Então, se você estiver sozinho será uma presa mais fácil.

Myanmar dog

Confesso que essa declaração me deixou bastante chocada, mas não foi a única vez que ouvi, tanto por lá, quanto em outros países mais pobres do sudeste asiático.

10. O Myanmar Levou um Nobel

Aung San Suu Kyi. Esse o nome da ativista política que recebeu o Nobel da Paz em 1991. Seu nome já era conhecido porque seu pai Aung San é considerado o pai do Myanmar que conhecemos hoje.

Ela venceu as eleições de 1990, mas não pôde assumir o cargo. Um pouco antes da disputa ela foi detida e forçada a permanecer em prisão domiciliar por 15 anos. No final de 2010, por conta de uma forte pressão internacional ela foi finalmente libertada.

Myanmar Curiosidades Nobel

Em 2015 após vencer novas eleições Suu Kyi foi impedida novamente de assumir o cargo. Existe uma lei no Myanmar que determina que os Chefes de Estado não podem ser casados com estrangeiros e seu marido era inglês.

Já em 2016 o Parlamento Nacional elegeu Htin Kyaw para o cargo de Presidente. Ele foi o primeiro não-militar a ocupar a presidência do país desde 1962. Com o objetivo de reparar essa questão com Suu Kyi, no governo de Htin Kyaw foi criado o cargo de Conselheiro de Estado, que agora é ocupado por ela. Esse cargo tem funções similares a de um primeiro-ministro.

Essa mulher impressionante continua inspirando livros, filmes e a todos que conhecem a sua história. Uma mulher assim só poderia vir de um lugar tão surpreendente como o Myanmar.

Achou curioso? Conhece alguma curiosidade sobre o Myanmar que não está aqui? Deixe seu comentário e divida sua experiência sobre esse país singular.

Até o próximo post!

KS.