Publicado em Curiosidades, Dicas

Viajando com a Síndrome do Pânico

Viajando com a Síndrome do Pânico

É indiscutível que muita coisa ainda precisa ser esclarecida e falada sobre o assunto em todas as esferas, mas hoje vou falar um pouco sobre a minha experiência em viajar sozinha lidando com a Síndrome do Pânico.

Quero deixar bem claro que esta é a minha experiência particular e o meu ponto de vista para enfrentar o problema. Cada pessoa que passa por essa situação vai descobrindo com o tempo como lidar com isso (ou não).

Síndrome do Pânico Viagem

Esse tema ainda é tabu e sofri bastante quando expus sobre ele quando ainda estava na faculdade. Aquela história que “de médico e louco todo mundo tem um pouco” cabe bem aqui.

Tive que tirar uma licença na faculdade para poder me cuidar já que morava sozinha em outro estado. A incompreensão por parte de alguns professores que achavam ser só uma frescura foi surpreendente.

A capacidade que as pessoas tem de julgar um tema sobre o qual não tem nenhum domínio, assim como questionar o laudo de um médico que estudou e lida com isso diariamente durante toda a sua carreira pode ser impressionante e, muitas vezes, impiedosa.

Apesar de tudo, com muito esforço e dedicação, consegui concluir a faculdade dentro do prazo mínimo e isso não impediu que me formasse com honras. Mas, poderia ter sido mais fácil se quem se prontificou a julgar tivesse procurado se informar com maior diligência sobre o tema.

Gostaria de deixar claro que desenvolvi a síndrome durante a faculdade e que sem nenhuma ajuda e conhecimento sobre ela, tive que me “virar nos trinta” para poder dar conta da avalanche de emoções e crises que vivi durante esse período.

A Síndrome do Pânico não é nenhum passeio no parque. Dar de frente com ela pode te esgotar de todas as formas possíveis. E como um belo clichê é sempre bem vindo, não desejaria isso nem para o meu pior inimigo.

Viagem x Crises

Pensa você lidar com uma síndrome, que leva esse nome por não haver nenhuma causa específica, portanto não é considerada uma doença. Isso acaba impedindo um diagnóstico preciso, o que leva cada caso a ser tratado de forma muito particular e de maneira temporária.

Isso acaba também tornando bem difícil saber como lidar com isso. Não é só remédio que resolve, você precisa descobrir outras formar de enfrentar o problema, o que pode ser ainda mais complicado quando você está sozinho.

Síndrome do Pânico

Me lembro de uma vez, indo para a Tailândia, comecei a ter uma crise já na porta do avião. Não está escrito na sua testa “síndrome do pânico em curso” e com uma fila de trocentas pessoas na sua frente se organizando para achar seus assentos, bateu o desespero para conseguir “segurar” o ataque.

Por opção, algo que realmente não recomendo, escolhi parar com a medicação de uso contínuo, que me deixava muito apática, já que minhas crises já não eram mais tão constantes e já sabia melhor lidar com os ataques.

Devido ao fato de os remédios serem altamente viciantes, o que me aterroriza até hoje, optei por ficar somente com os “remédios de emergência”. São pílulas para colocar em baixo da língua quando você pressente um ataque se instalando.

Com o tempo você vai aprendendo a identificar alguns gatilhos e a iminência de uma crise. Sendo assim, quanto antes você usar as pílulas, maior a possibilidade de você não estendê-la e conseguir se controlar.

É o que venho fazendo e tem funcionado. Lógico que algumas vezes quando você vê já está no olho do furacão, aí o jeito é esperar passar.

Se você enfrenta essa situação ou conhece alguém que está passando por isso, vou te contar como EU lido com isso e acredito que essas dicas podem ajudar VOCÊ A DESCOBRIR O QUE FUNCIONA MELHOR para você. Afinal, ninguém conhece a gente melhor do que a gente mesmo.

Técnicas Para Superar o Ataque de Pânico

Infelizmente não existe uma fórmula secreta ou um botão do pânico em que ao apertar a ajuda estará a caminho, ou ainda, que você pode simplesmente deletar com um toque. Quando o assunto é uma síndrome que os próprios médicos não conhecem a causa, tudo é um mistério a ser desvendado dia após dia.

Botão de Pânico

As técnicas que conto aqui são as que EU uso e que tem funcionado COMIGO. Não é nenhuma receita de bolo, que seguindo o passo a passo, você chega a um resultado similar. Você precisa descobrir o que funciona ou não para você. Aí, só testando!

Já avisados, podem conferir o que eu tenho feito para reagir aos ataques de pânico imediatamente quando vejo que algo está errado:

  • Assim que percebo que estou entrando em crise, minha primeira atitude é tomar minha pílula de emergência, já que cortei a medicação contínua e rapidamente vou para o próximo passo: a respiração.
  • A respiração ainda é um mistério. Alguns médicos dizem que você deve respirar profundamente, já outros dizem que isso é um erro que pode piorar o quadro e aconselham respirações curtas, mas não aceleradas. Esta última é a que funciona para mim e não chama a atenção de pessoas desconhecidas ao meu redor, o que tende a me deixar pior.
  • Procuro sempre me sentar ou, pelo menos, encontrar um lugar mais calmo e afastado da muvuca para me recuperar. Em último caso, vou ao banheiro. Mas, não recomendo entrar sozinho no reservado, caso a sua crise seja rapidamente escalada.
  • Me focar em um objeto próximo ajuda a me distrair dos efeitos que sinto sobre meu corpo. Por isso, penso em todos os detalhes dele, tipo, cor, textura, tamanho, cheiro e até sabor, independente de ser algo para comer ou não.
  • Especialmente dentro de aviões, se percebo que estou tendo uma crise mais grave, aviso um atendente de voo e normalmente eles ajudam a controlar o ataque. Sempre chame o que você achou mais amistoso. Um profissional sem tato pode piorar tudo. Se estou em público, procuro identificar alguém que possa me auxiliar e aviso que estou tendo um ataque de pânico e preciso de ajuda.
  • Sempre após os ataques tento pensar rapidamente sobre o que causou o gatilho. Assim que me dou conta, afasto o pensamento, porque às vezes se demorar muito nele, outro ataque pode ser desencadeado.
  • Quem sofre com a Síndrome do Pânico sabe que o medo de um ataque faz parte do seu cotidiano. Nesses momentos de maior aflição, tento me distrair com coisas que me fazem bem e pratico a meditação, que tem me ajudado muito a diminuir a incidência de novos ataques.

Síndrome do Pânico e Esportes Radicais

A primeira vez que fui mergulhar na Tailândia, tive que informar que tenho Síndrome do Pânico em um formulário. Isso levou a escola de mergulho a solicitar que eu consultasse um médico. Eu nem sabia que mergulho era um ESPORTE RADICAL.

Mergulho Dive

Uma das vezes em que fui ao meu médico e estava tendo uma crise muito forte, ele me aconselhou a parar com as corridas que fazia frequentemente e com qualquer atividade que demandasse muito esforço. Aquilo me fez mais mal do que bem, porque era uma coisa que amava e me deixava melhor.

Ele disse que ao acelerar meus batimentos poderia engatilhar um ataque. Fiz o que ele mandou. Novamente NÃO RECOMENDO desobedecer seu médico, mas tinha a consciência de que eu, melhor do que ninguém, sabia o que era bom ou não para mim.

Não queria deixar que essa síndrome me dominasse e me impedisse de viver e desfrutar de coisas que queria muito fazer. Tenho aprendido a conhecer meus limites e me policio para nunca ultrapassá-los.

Foi quando fui surpreendida com esse fato que aconteceu na ilha de Koh Tao, na Tailândia. Acho importante avisar aqueles que buscam aventuras mais radicais a prestarem muita atenção em si mesmos e nos sinais e respostas que seu corpo dá para você.

Quando exigiram que eu visse o tal médico, a primeira coisa que me perguntei foi: no que ver um médico antes de mergulhar ajudaria a controlar uma crise em curso? Acho impossível em vinte minutos um médico te diagnosticar e te dizer o que você já sabe há anos só para deixar a escola de mergulho com a consciência leve caso algo ocorra.

E é claro que eu teria que pagar a mais para ver esse tal médico. Os custos da consulta nem eram tão caros, mas achei tão absurdo tratarem uma síndrome como uma doença que você tem um causa clara e, por consequência, um tratamento mais específico e eficaz, que desisti em um primeiro momento.

Para mim, isso é mais um fruto da falta de informação sobre a Síndrome do Pânico, pois os instrutores sabem exatamente o que fazer em caso de QUALQUER tipo de problema nas profundezas: te levar para a superfície e buscar ajuda.

Dias depois, procurei outra escola de mergulho e finalmente consegui mergulhar com uma profissional da Argentina; Além de super competente e simpática, me deixou calma durante todo o tempo, o que resultou em uma aventura incrível e inesquecível.

Se Pânico

Acho que na “Era da Tecnologia”, já passou da hora das pessoas fingirem que sabem lidar com um problema que não entendem, por descargo de consciência, e procurarem se informar o máximo possível a respeito. Isso evita passar vergonha ou causar um dano ainda maior para quem já tem um abacaxi bem grande para descascar.

Mas, infelizmente, essa não é a realidade que tenho encontrado em todos os cantos para os quais viajo. Por isso, acho importante colocarmos as cartas na mesa, e mesmo contrariados, descobrirmos formas de dialogar sobre o assunto, a fim de buscarmos respostas coerentes e que realmente possam ajudar a todas as pessoas nessa condição.

E você? Conhece alguém que já passou por um caso parecido? Conta para a gente. O melhor remédio ainda é o CONHECIMENTO.

Bjo, bjo!

KS.